William Waack constata incapacidade de Lula de governar o país

A forma como o president Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem protelado em questões importantes está custando caro para seu governo e para o país. É o que afirma o jornalista William Waack, em coluna no jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com o jornalista, a demora do presidente em escolher nomes para cargos, cumprir acordos políticos e definir diretrizes para as políticas públicas revela cálculos equivocados. “E se traduz em incapacidade decisória”, acrescenta.

Essas indecisões pioram as expectativas do mercado e o funcionamento de instituições, como do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Ministério Público Federal (MPF).

Efeitos na economia

Um exemplo recente dessa indecisão, segundo Waack, foi a demora de Lula em entregar a Caixa Econômica Federal ao centrão — o que o petista reconhecia ser uma situação inevitável.

Além disso, o presidente atrasou a tramitação de pautas importantes para a política econômica, principalmente as de arrecadação, nas quais o governo se esforça para equilibrar as contas públicas.

Outra episódio ocorreu na revisão da meta fiscal. Esse adiamento pelo presidente teve sérias implicações nas expectativas do mercado.

O equilíbrio das contas públicas exige alcançar uma receita elevada em curto prazo, para sustentar os compromissos de gastos públicos que Lula não estava disposto a abrir mão.

Outros exemplos de demora

Mais um exemplo da demora de Lula é o atraso nas nomeações de caráter político, que há muito tempo haviam sido agendadas, como a escolha de um novo ministro para substituir Rosa Weber no STF e a sucessão de Augusto Aras como procurador-geral da República.

Lula

Lula também tem demorado em atender a pedidos de nomeações de diretores de agências reguladoras, feitos especialmente pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Essa morosidade tem tornado o presidente ainda mais vulnerável no Senado e tem facilitado mais a organização da oposição do que na Câmara.

Como a coluna do Estadão conclui, esperar as coisas acontecerem e se resolverem por si pode ser uma forma de decisão. Porém, segundo Waack, parece que essa estratégia não está sendo benéfica para Lula.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading