Supermercados da Espanha trancam azeite por causa dos furtos

Os supermercados da Espanha decidiram trancar as garrafas de óleo por razão da grande quantidade de furtos. O país é o maior produtor de óleo do mundo.

Os roubos aumentam à medida que os preços sobem. As garrafas de um litro de óleo extra-virgem, por exemplo, estão sendo vendidas por € 14,5 (R$ 77,25) em alguns supermercados. 

O aumento do preço levou o óleo para a categoria de produtos que são equipados com etiquetas de segurança, assim uma vez que bebidas alcoólicas, cosméticos e eletrodomésticos. 

“Estamos vendo um grande aumento de latrocínio nas lojas”, disse Rubem Navarro, CEO da rede de supermercados Tu Super. “O óleo tornou-se um resultado ideal para o roubo.”

O preço do litro de óleo aumentou 150% nos últimos dois anos, na Espanha. O aumento se deu em razão da seca no sul do país, que prejudicou a colheita de oliva. 

De convénio com Navarro, grupos de criminosos estão furtando o óleo para revendê-lo. Desde setembro, a Tu Super tem algemado grandes garrafas de óleo de 5 litros. “É uma medida louca e extrema, mas funcionou”, disse.

Carrefour também é vítima dos furtos de óleo na Espanha

Carrefour Espanha
A polícia espanhola também descobriu furtos de óleo em moinhos | Foto: Reprodução/Wikimedia Commons/Benjamín Núñez González

Outros supermercados, uma vez que o Carrefour e o Auchan, equiparam com etiqueta de segurança as garrafas de 1 litro. Houve um aumento de 12 vezes nas encomendas de dispositivos para proteger as garrafas. 

A polícia espanhola também descobriu furtos de óleo em moinhos. Em outubro, duas pessoas foram presas. Elas fazem segmento de uma investigação sobre o roubo de 56 toneladas de óleo extra-virgem. 

O melhor óleo do Hemisfério Sul

O óleo de oliva gaúcho Puro conquistou o status de o melhor extravirgem do Hemisfério Sul. O reconhecimento veio no prêmio italiano Lodo, no início do ano. A marca gaúcha competiu com mais de 120 variedades do mundo.

O Puro foi criado por José Eugenio Farina, um progénito de italianos, e seus netos. Farina já era um divulgado empresário gaúcho do ramo moveleiro: a família é dona da marca Todeschini. Em 2014, ele decidiu levar uma de suas paixões, o óleo de oliva, a um novo negócio. O empresário morreu em 2020, aos 96 anos.

Rafael Farina, neto de José Eugênio e atual diretor de marketing da empresa, contou que tudo começou na mesa. Em um almoço de término de ano, José Eugênio disse: “Reunião amanhã às 7 horas e 30”. 

Na manhã seguinte, José Eugênio Farina e seus oito netos firmaram sociedade para a produção do óleo gaúcho. Eles visitaram diversas empresas no Rio Grande do Sul, no Uruguai e na Espanha para entender o setor.

O plantio e o prolongamento das primeiras oliveiras do Puro ocorreram de 2014 a 2018, quando eles produziram o Blend Suave, de convénio com a revista Revista. Depois disso, a família Farina começou com a produção de 4 milénio garrafas de óleo extravirgem. No ano seguinte, a produção saltou para 2 milénio litros, graças ao maduração das oliveiras.

Em 2023, a produção chegou a 30 milénio litros. Hoje, o óleo gaúcho Puro é um dos cinco maiores do país em volume de produção.

Mas o prêmio Lodo não foi o único. O óleo gaúcho foi premiado em outros concursos internacionais. O Puro levou medalhas de prata e ouro pelos azeites picual e coratina, e também o Top 10 no Brasil International Olive Oil Competition. O óleo gaúcho também foi premiado em Dubai (Emirados Árabes) e em Novidade York (Estados Unidos).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies