Setor de máquinas agrícolas deve ter queda de até 15% no Brasil, projeta associação

O setor de máquinas e equipamentos agrícolas do Brasil deve ter queda de 10% a 15% em 2024. A previsão, preliminar, é de Pedro Estevão Bastos, presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA) da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). As informações são do Canal Rural.

Bastos afirmou, em coletiva para apresentação dos resultados de 2023, realizada na quarta-feira 31, que ainda não há um número fechado. A câmara deve se reunir na semana que vem para chegar a uma projeção oficial.

A receita interna com a venda de máquinas agrícolas caiu 23,2% em 2023, chegando a R$ 63,791 bilhões.

“Já esperávamos essa queda, mas o que notamos foi que ela veio já desde janeiro”, ressaltou Bastos. “Basicamente, o que a pressionou foi a queda nos preços das commodities e a taxa de juros, considerada cara pelo mercado, que esperava retração”, disse.

Segundo o presidente da CSMIA, prossegue o Canal Rural, a seca foi determinante para o cenário de vendas de máquinas piorar muito em novembro e dezembro. A expectativa é para quebra de safra. Por isso, deverá ocorrer uma baixa no setor para este ano em relação a 2023.

Venda de máquinas e equipamentos agrícolas

Máquinas agrícolas
Vendas internas de tratores também teve queda | Foto: Reprodução/Pixabay

A projeção de analistas da consultoria Safras & Mercado é de queda de 4% a 5% na produção de soja do Brasil em 2023/24. Para Mato Grosso, maior produtor de soja do Brasil, a previsão do início de janeiro é de quebra de aproximadamente 26%.

“Se a média é essa, significa que muita gente teve queda de 30% a 40%”, observou Bastos. “Esse produtor não vai comprar máquina.” Ele acrescenta, no entanto, que “se a segunda safra de milho for boa e se tivermos um bom Plano Safra 2024/25, pode ser que a coisa melhore”.

Em relação às vendas internas de tratores, segundo a Abimaq caíram 12,9% de janeiro a dezembro de 2023, na comparação como mesmo período do ano anterior. Em números absolutos, foram 61.818 unidades em 2022, contra 53.840 no ano passado.

Já a venda de colheitadeiras teve queda de 18,6% em 2023. O número foi de 8.816 unidades em 2022 para 7.178 em 2023.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies