Rússia impede jornalistas brasileiros de acessarem coletiva com ministro de Putin

A delegação da Rússia barrou o acesso de profissionais da imprensa brasileira e de outros países a uma entrevista coletiva com o ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. A coletiva ocorreu durante a reunião de chanceleres do G-20, no Rio de Janeiro.

Lavrov é um homem de confiança do presidente da Rússia, Vladimir Putin. Ele autorizou somente o ingresso de jornalistas russos à coletiva. Mais de cem jornalistas, fotógrafos e cineastas se juntaram para participar da entrevista de Lavrov, mas ficaram de fora.

Rússia e a falta de liberdade de imprensa

Em termos de liberdade de imprensa, a Rússia aparece na posição 164º no ranking de 2023 da organização Repórteres Sem Fronteiras. A entidade monitora a liberdade do exercício de imprensa e do acesso à informação em 180 países e territórios.

A Rússia caiu nove posições em relação a 2022, quando invadiu a Ucrânia. De acordo com a organização, 29 jornalistas e colaboradores da imprensa estão presos em solo russo.

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, um diplomata russo desconversou ao explicar que não poderia autorizar o acesso e a participação de brasileiros. Os jornalistas russos escolhidos já aguardavam a coletiva.

Durante a visita de Putin a Brasília, em 2019, para a cúpula do Brics, o governo russo também evitou contatos com a imprensa brasileira. Putin falou somente a jornalistas que o acompanhavam desde Moscou.

Chanceler da Rússia ignorou a morte de Alexei Navalny

rússia navalny | O líder da oposição russa Alexei Navalny caminha durante um comício da oposição em Moscou, Rússia, em 27 de outubro de 2013 | Foto: Montagem Revista Oeste/Maxim Shemetov/REUTERS
O líder da oposição russa Alexei Navalny caminhava durante um comício da oposição em Moscou, Rússia, em 27 de outubro de 2013 | Foto: Montagem Revista Oeste/Maxim Shemetov/Reuters

Na plenária de chanceleres, Lavrov ignorou a morte do principal opositor de Putin, Alexei Navalny, e disse que o G-20 não vai ajudar a solucionar os confrontos.

O país é cobrado internacionalmente a explicar a morte de Navalny, em circunstâncias não esclarecidas. O caso ressoou em todo o mundo, e os embaixadores russos têm sido chamados a prestar esclarecimentos em capitais europeias.

De acordo com o jornal, o chanceler britânico, David Cameron, cobrou a Rússia e rebateu a tese de “desnazificação”, uma das usadas pelo Kremlin para justificar a invasão do país vizinho. “Matar Navalny é o que um regime nazista faria”, disse Cameron, segundo embaixadores.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies