Rodrigo Pacheco pede lista de parlamentares monitorados pela Abin

O presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) os nomes dos parlamentares que teriam sido monitorados ilegalmente pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

“Encaminharei ao Supremo Tribunal Federal [um] ofício solicitando os possíveis nomes de parlamentares clandestinamente monitorados pela Agência Brasileira de Inteligência, dada a gravidade que um fato dessa natureza representa”, disse Rodrigo Pacheco em nota divulgada, nesta segunda-feira, 29.

Desde a quinta-feira 25, a Polícia Federal (PF) deflagra uma série de buscas e apreensões no âmbito da Operação Vigilância Aproximada, que diz respeito a um suposto monitoramento ilegal feito pela Abin durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Na quinta-feira, o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) — delegado da PF e foi diretor-geral da Abin entre 2019 e 2022 — foi alvo de busca e apreensão em seu gabinete na Câmara dos Deputados e no apartamento funcional. Além do parlamentar, três servidores da Abin e sete policiais federais foram alvo da operação.

Hoje, desde cedo, a PF cumpre mandados de busca e apreensão em endereços relacionados ao vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do ex-presidente. Ao todo, são cumpridos oito mandados: cinco no Rio, um em Brasília, um em Formosa (Goiás) e um em Salvador.

Entre 2019 e 2022, um programa secreto chamado First Mile teria sido usado para monitorar a localização de políticos, jornalistas, advogados e adversários de Bolsonaro. Os dados estariam armazenados fora do Brasil. Conforme o diretor-geral da PF, Andrei Passos, a espionagem atingiu 30 mil brasileiros.

No documento da investigação, à qual Oeste teve acesso, a PF diz que identificou a existência de uma “organização criminosa” que tinha o objetivo de “monitorar ilegalmente pessoas e autoridades públicas”, “invadindo equipamentos e computadores, além da infraestrutura telefônica”.

Conforme a investigação, existiam diversos “núcleos distintos” na organização”. Ramagem, segundo a PF, pertencia ao “núcleo de alta gestão”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies