Relatório mostra que Joe Biden tem problemas de memória

Na última quinta-feira, 8, a escolha de não formalizar acusações criminais contra o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, relacionadas ao manuseio inadequado de documentos confidenciais, inicialmente destinava-se a ser uma absolvição jurídica, porém acabou se transformando em um revés político.

A investigação sobre a forma como Biden lidou com os documentos depois de ser vice-presidente concluiu que ele era um “homem idoso e bem intencionado com memória fraca” e tinha “faculdades diminuídas por conta da idade avançada” – afirmações tão surpreendentes que provocaram uma reação inflamada por parte de Biden após a divulgação do relatório.

Em uma coletiva de imprensa na Casa Branca, Biden criticou na noite de quinta-feira o relatório de Robert Hur, o conselheiro especial, acusando os autores do relatório de “comentários estranhos” sobre sua idade e capacidade mental. “Eles não sabem do que estão falando”, disse o presidente categoricamente.

Biden pareceu fazer uma exceção especial à afirmação do relatório de que durante entrevistas com os investigadores, ele não conseguia se lembrar em que ano seu filho Beau morreu.

“Como diabos ele se atreve a falar isso”, disse o presidente, parecendo conter as lágrimas. “Durante todos os Dias da Memoria (Memorial Day) realizamos um culto em homenagem a ele, com a presença de amigos e familiares e das pessoas que o amavam. Não preciso de ninguém, não preciso de ninguém para me lembrar quando ele faleceu.”

Dano político

A marcante aparição do presidente dos Estados Unidos diante dos repórteres destacou o potencial dano político que o relatório de Hur poderia causar, mesmo sem acusações criminais. A discussão sobre a memória e a idade do presidente permeou o extenso documento de 345 páginas, sendo prontamente explorada pelos republicanos, incluindo o possível adversário de Biden nas eleições de 2024, o ex-presidente Donald Trump.

No relatório, Hur afirmou que o presidente, então com 80 anos, demonstrou confusão ao longo de cinco horas de entrevistas, tornando difícil convencer os jurados de que Biden sabia que sua abordagem aos documentos estava equivocada. O relatório antecipou que, caso o presidente fosse acusado, seus advogados enfatizariam essas limitações em sua defesa.

Devido, em parte, à questão da memória de Biden, Hur optou por não recomendar acusações contra o presidente pelo que o relatório descreveu como retenção intencional de segredos de segurança nacional, incluindo documentos compartilhados pelo presidente que envolviam “fontes e métodos de inteligência sensíveis”.

Em sua própria declaração por escrito, emitida logo após a divulgação do relatório, Biden aparentemente sugeriu uma razão para sua distração.

“Eu estava tão determinado a dar ao advogado especial o que eles precisavam que continuei com cinco horas de entrevistas pessoais durante dois dias, 8 e 9 de outubro do ano passado, apesar dos ataques que ocorreram em Israel no dia 7 de outubro e eu estava no meio de uma crise internacional”, escreveu Biden. “Eu simplesmente acreditava que era isso que devia ao povo americano.”

Com informações de Estadão

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading