PT e aliados acionam a Justiça para impedir privatização da Sabesp

A oposição ao governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, acionou a Justiça contra o projeto de privatização da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). A ação junto ao Poder Judiciário ocorreu nesta quarta-feira, 8.

Deputados estaduais de PT, Psol e PCdoB protocolaram dois mandados de segurança na Justiça a fim de travar tramitação do projeto. Os políticos apresentaram as ações no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Os parlamentares de esquerda acusaram a existência de “vício de inconstitucionalidade” no projeto de privatização da Sabesp.

Um dos mandados apresentados ao TJSP, de autoria do deputado Emídio de Souza (PT-SP), trata como “inconstitucional” o projeto enviado à Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

Segundo a acusação, o governador Tarcísio encaminhou a proposta por um projeto de lei, e não por uma Proposta de Emenda à Constituição.

Governo Tarcísio vale da Constituição para defender a tramitação da privatização da Sabesp

A oposição utilizou o 2º parágrafo do artigo 216 da Constituição do Estado de São Paulo para embasar a acusação. O artigo estabelece que uma empresa com controle acionário do governo federal preste os serviços de saneamento.

O texto da acusação diz que “alterar esse entendimento demandaria, necessariamente, a alteração de regra veiculada no sistema jurídico por intermédio da Constituição do Estado de São Paulo, conforme já foi dito à exaustão”.

Para aprovar um projeto de lei, é necessário a maioria simples na Alesp, de 48 votos. Contudo, para aprovar uma PEC, é preciso de três quintos dos votos da Casa legislativa, 56 dos 94 deputados. Isso faria parte de uma estratégia da oposição de travar o trâmite da privatização da estatal.

Entretanto, o governo paulista vale do artigo 175 da Constituição Federal, que diz que, na forma de lei, e por meio de licitação, a prestação de serviços público pode ser feita diretamente ou indiretamente.

“Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de concessão, ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos”, afirma trecho do artigo 175 da carta magna brasileira.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies