Primeiro-ministro de Israel rejeita exigência do Hamas de retirada

O primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu declarou que seu país “não libertará milhares de terroristas”, como parte de um acordo com o Hamas com a retirada das tropas israelenses da Faixa de Gaza.

Netanyahu prometeu prosseguir com as ofensivas na região até que os objetivos da guerra sejam alcançados.

“Quero deixar claro que não terminaremos esta guerra com menos do que a realização de todos os seus objetivos”, disse o primeiro-ministro. “Isto significa a eliminação do Hamas, o retorno de todos os reféns e a promessa de que Gaza deixará de representar uma ‘ameaça a Israel’.”

+ Leia as últimas notícias sobre Mundo no site de Oeste

Os comentários do primeiro-ministro ocorreram no momento em que o Hamas afirmou que estuda uma proposta para um acordo de reféns e cessar-fogo. Porém, os terroristas querem a retirada completa das forças israelenses de Gaza.

Possível acordo entre Israel e Hamas

A proposta ainda não foi tornada pública. O plano foi formulado pelos governos dos Estados Unidos, Israel, Egito e Catar.

Os termos gerais desse acordo de cessar-fogo estavam em discussão desde dezembro.

Ismail Haniyeh
Um dos líderes do Hamas, Ismail Haniyeh, disse que vai a Cairo, no Egito, para discutir os termos de uma proposta de acordo com Israel | Foto:

O governo de Israel só aceitou as condições depois que David Barnea, o chefe da Mossad (agência de inteligência israelense) conversou com representantes norte-americanos e egípcios no domingo 28.

Segundo agências de notícias internacionais, o plano tem três fases. A primeira fase depende da aprovação do Hamas.

+ Veja: Israel acusa 190 funcionários da ONU de envolvimento com grupos terroristas

A etapa prevê a libertação de parte dos reféns. Ainda há mais de 100 sequestrados israelenses em poder do grupo.

Contudo, os terroristas estão interessados em um fim da guerra, e não em um cessar-fogo.

Um dos líderes do Hamas, Ismail Haniyeh, declarou que o grupo está aberto a ideias que conduzam ao fim da ofensiva israelense e que ele vai viajar ao Cairo, no Egito, para discutir os termos.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading