Prefeita de Luís Correia confessa delito de não erradicar Lixão e entra em acordo com o MPPI

A Subprocuradoria-Geral de Justiça Jurídica do Ministério Público do Estado do Piauí (SJJ/MPPI) firmou, na segunda-feira (19/02), um acordo de não persecução penal (ANPP) com a prefeita de Luís Correia, Maria das Dores Fontenele.

O subprocurador-geral, João Malato Neto, explica que foi instaurada uma notícia de fato na SJJ/MPPI a partir de inquérito civil aberto pela Promotoria de Justiça de Luís Correia, o qual tinha como objeto a adoção de providências para a erradicação do lixão local e, em seguida, para recuperação da área degradada e a implementação de atividades de disposição final ambientalmente adequada aos resíduos sólidos. O processo foi instaurado em decorrência do projeto “Zero Lixões: Por um Piauí mais Limpo”, coordenado pelo Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente (Caoma/MPPI).

Nos trâmites da notícia de fato para possível responsabilização da prefeita, a SJJ/MPPI propôs o ANPP. Esse tipo de acordo entre investigado e Ministério Público pode ser realizado em casos de prática da infração penal sem violência ou grave ameaça e com pena mínima inferior a quatro anos, se não for o caso de arquivamento e se for confessado o delito. Assim, evita-se a proposição da ação penal e o acordante fica sujeito ao cumprimento de algumas condições, como reparar o dano, prestar serviços à comunidade ou pagar uma prestação pecuniária, por exemplo.

“A investigada, devidamente assistida por seu advogado constituído, confessou voluntariamente a prática do delito de deixar de adotar, mesmo após exigido pela autoridade competente, medidas de precaução em caso de risco de dano ambiental grave ou irreversível capaz de causar prejuízos à saúde humana, à fauna e à flora”, relata João Malato Neto.

“A prefeita de Luís Correia confessou ainda o delito de fazer funcionar, no território municipal, estabelecimento potencialmente poluidor, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes e contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes”, finaliza o subprocurador-geral de Justiça jurídico do MPPI.

Nos termos do ANPP, a investigada se comprometeu a tomar diversas providências em prazos fixados, sendo algumas em caráter emergencial, como: promover a cobertura diária dos resíduos no lixão com material argiloso, para evitar a proliferação de vetores de doenças; instalar cercas e portões para impedir o acesso de animais de grande e pequeno porte e de pessoas não credenciadas; colocar placas de sinalização no local; monitorar o acesso ao lixão, coibindo a entrada de catadores não cadastrados e de crianças e adolescentes; proibir o ateamento de fogo nos resíduos.

Dentro de oito meses, o município deve se abster completamente de destinar os resíduos sólidos urbanos para lixões ou outros locais não autorizados, e deve viabilizar a destinação final ambientalmente adequada de resíduos urbanos em aterro sanitário público ou privado, ou de outras formas admitidas pela Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Além disso, o município tem o prazo de seis meses para elaborar um plano de recuperação de área degradada, a ser implementado onde atualmente funciona o lixão. O ANPP contempla ainda a criação de sistema de coleta seletiva e a promoção de ações para regularização da situação dos catadores de materiais recicláveis e a proteção de sua dignidade.

“Uma vez cumprido integralmente o acordo, o Ministério Público adotará as providências para o arquivamento da investigação e se obrigará a pleitear a decretação da extinção da punibilidade ao Poder Judiciário, nos termos do Código de Processo Penal, ressalvadas eventuais responsabilidades administrativas e cíveis não abrangidas pelo ANPP e a superveniência de novas provas que possam enquadrar a conduta da investigada em infração penal mais grave”, explica João Malato Neto.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies