O que Milei precisou ceder para aprovar pacote de reformas

O presidente argentino Javier Milei precisou fazer uma série de concessões aos deputados para aprovar o texto-base da “Lei Ônibus”, nesta sexta-feira, 2, na Câmara. O governo teve de ceder em quesitos fiscais, na área das privatizações e no aumento dos poderes temporários para o Executivo.

Em negociação desde a quarta-feira 31, o pacote de reformas prevê mudanças significativas no país, mas nem tudo sairá do papel.

O governo pretendia, por exemplo, declarar emergência em 11 áreas. Mas este ponto polêmico do projeto sofreu modificações e precisou ser reduzido para seis: econômica, financeira, tributária, energética, administrativa e de segurança. 

Poder e impostos

Inicialmente, a Casa Rosada planejava acumular poderes até o dia 31 de dezembro de 2025, mas ficou estabelecido o limite de um ano — a prorrogação desse prazo ainda dependerá da aprovação do Congresso.

Camara dos Deputados Argentina
A Câmara dos Deputados da Argentina está avançando na discussão sobre o megaprojeto do governo | Foto: Reprodução/Wikipedia/Leandro Kibisz

Outros pontos dos quais o governo teve de abrir mão foram: a reforma previdenciária, o aumento do imposto de renda e a elevação dos taxas sobre as principais exportações (a exemplo dos derivados de soja e dos grãos). A mudança irá atrapalhar os planos do presidente de atingir o déficit zero este ano.

O impacto das últimas negociações também recaiu sobre os planos de privatização das estatais. Das 40 empresas que estavam na lista, apenas 27 serão vendidas — com exceção da petroleira YPF. 

Sistema eleitoral

O governo pretendia uma ampla reforma eleitoral para acabar com as eleições primárias e alterar a composição da Câmara, mas não obteve o apoio esperado. 

A ideia de Milei era trocar o atual sistema, que distribui o número de representantes de forma proporcional à população local, a um sistema que implantaria 254 zonas no país, cada uma representada por um deputado.

Um outro artigo de Milei que sofreu derrota exigiria que as manifestações no país precisassem de autorização e fossem classificadas como “reunião intencional de três ou mais pessoas em um espaço público”. A quantidade saltou para um grupo de 30 pessoas.

Em meio à intensa discussão para conseguir a aprovação, novos cortes ainda devem acontecer na próxima semana, quando ocorrem os votos individuais dos mais de 380 artigos presentes em pauta. Trata-se de uma das maiores propostas em debate no Congresso argentino.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies