O que é o jogo do tigrinho e por que ELE ATRAI TANTOS JOGADORES

Recentemente, influenciadores digitais têm gerado problemas no Maranhão através de um jogo ilegal chamado “Fortune Tiger”, que é mais conhecido pelos brasileiros como “jogo do tigrinho”. Devido às práticas ilícitas, a Polícia Civil tem intensificado as investigações e já efetuou algumas prisões em São Luís.

O “jogo do tigrinho”, um cassino online semelhante ao famoso caça-níquel, promete altos lucros aos seus jogadores. A facilidade encontrada pelos jogadores para ganhar no jogo têm incentivado a sua prática, apesar de serem ilegais no país. No entanto, essa prática é considerada uma contravenção penal, pois aproveitam da sorte dos jogadores para aplicar golpes.

O que é o Jogo do Tigrinho?

O “jogo do tigrinho” visa combinar três figuras idênticas nas três fileiras exibidas na tela. A promessa de grande retorno financeiro é o que atrai jogadores e influenciadores a divulgar o jogo, mesmo sendo ilegal no Brasil. Como o jogo não é gerenciado por casas de apostas, ele se multiplica em várias plataformas online, geralmente sob o disfarce de “cassino online”.

Quais são os outros jogos? E quais as reclamações mais frequentes?

Além do “jogo do tigrinho”, outros jogos online têm atraído a atenção dos apostadores. Spaceman/Aviator/JetX e Mines são alguns dos jogos que têm como objetivo a estratégia de ganhar dinheiro. As reclamações dos usuários quanto a esses jogos estão relatadas no site Reclame Aqui, destacando principalmente falhas no sistema que parecem ser programadas para que o jogador sempre perda.

Como no caso de uma jogadora de Camaçari (BA), que alegou ter sido incentivada a adicionar mais créditos no jogo Fortune OX, durante uma suposta “fase extra”, na qual o prêmio aos usuários seria garantido. Já no jogo Mines, um jogador de Campinas (SP) relatou ter perdido em 10 rodadas consecutivas, mesmo tendo configurado o jogo para ter apenas 4 bombas em 25 espaços disponíveis.

Qual a posição do Congresso sobre a regulamentação de apostas?

No dia 12 de dezembro, o Senado aprovou um projeto de lei que tem como objetivo regulamentar o mercado de apostas esportivas, conhecido como “bets”. Mas o projeto excluiu os jogos de azar, que incluem o “jogo do tigrinho”. No entanto, essa decisão provocou um retorno do projeto para uma nova votação na Câmara.

Apesar dos inúmeros relatos de pessoas lesadas e do debate legislativo em curso, a campanha de marketing digital para esses jogos de azar segue na contramão, prometendo fortunas fáceis obtidas de maneira rápida, o que acaba atraindo ainda mais jogadores desavisados.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies