Novo arcabouço fiscal deve passar por comissão antes de votação no plenário do Senado

O texto passará pela Comissão de Assuntos Econômicos antes de ser avaliado pelo plenário; Omar Aziz (PSD) será o relator da matéria na Casa

TON MOLINA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Governo espera concluir tramitação do texto até o dia 15 de junho

A articulação não Senado Federal é para definir qual caminho o novo arcabouço fiscal seguirá. O líder do governo, senador Jacques Wagner (PT) antecipou que o texto deverá passar por pelo menos uma comissão, a de Assuntos Econômicos, antes de ir para o Plenário. “Nunca acho ruim quando alguma matéria, mesmo com a necessidade de rapidez, passe pela condução temática. Dentro do Plenário é sempre mais complicado e você não aprofunda a matéria, Os senadores, pela religião do tema, querem ter a oportunidade de discutir”, diz Wagner. O líder da oposição, senador Rogério Marinho (PL) argumenta que é necessário um olhar técnico sobre a matéria. “Nossa preocupação é de que houve uma discussão maior a respeito do tema. Da maneira como ele foi aprovado pela Câmara nos causa muita preocupação. É importante que isso fique claro para a população brasileira, o que é que estamos comprando em termos de marco fiscal nos próximos quatro anos. Um impacto de quase R$ 1 trilhão na dívida pública”, disse Marinho.

Durante reunião com líderes partidários, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), disse que estudará o melhor caminho para o texto do arcabouço fiscal. Mas, nos bastidores, existe uma sinalização de que Pacheco prefere que a proposta siga direto para a análise do Plenário. o senador Omar Aziz (PSD-AM) deve ser o relator do arcabouço fiscal. segundo senador Randolfe Rodrigues, a ideia do governo é concluir a tramitação da proposta a primeira quinzena de junho até. “Eu não estive acompanhando a reunião de líderes onde se constituiu um acordo. Inicialmente, era para ir para a Comissão de Assuntos Econômicos e iríamos ver a pertinência. Eu acredito que conseguiremos, independentemente da tramitação em comissões, até o dia 15 de junho, votar a nova regra fiscal no Senado”, diz Randolfe. O texto do novo arcabouço chega ao Senado com críticas, como a inclusão do Fundeb e do repasse constitucional ao Distrito Federal no limite do teto de gastos são questionados. A bancada do DF diz que irá trabalhar pela mudança no Senado e, caso não consiga, não descarta acionar a Justiça contra a regra fiscal.

*Com informações da repórter Iasmin Costa

https://connect.facebook.net/pt_BR/all.js#xfbml=1

  !function(f,b,e,v,n,t,s)
  {if(f.fbq)return;n=f.fbq=function(){n.callMethod?
  n.callMethod.apply(n,arguments):n.queue.push(arguments)};
  if(!f._fbq)f._fbq=n;n.push=n;n.loaded=!0;n.version='2.0';
  n.queue=[];t=b.createElement(e);t.async=!0;
  t.src=v;s=b.getElementsByTagName(e)[0];
  s.parentNode.insertBefore(t,s)}(window, document,'script',
  'https://connect.facebook.net/en_US/fbevents.js');
  fbq('init', '474441002974508');
  fbq('track', 'PageView');
%d blogueiros gostam disto: