Nos EUA, aves vão deixar de ter nomes de figuras com história ‘racista e colonialista’

Aves com nomes de figuras históricas “racistas e colonialistas” terão suas nomenclaturas alteradas a partir de 2024 nos Estados Unidos (EUA) e no Canadá.

A Sociedade Americana de Ornitologia (AOS, na sigla em inglês), responsável por catalogar as aves nessa região da América do Norte, anunciou a iniciativa em 1º de novembro. De acordo com a entidade, a ação será uma forma de evitar “associações ao racismo e à misoginia”.

BREAKING: AOS will change all English bird names currently named after people within its geographic jurisdiction—one step in an effort to address past wrongs and engage more people in the enjoyment, protection and study of birds. #BirdNames

— American Ornithological Society (@AmOrnith) November 1, 2023

De acordo com a AOS, a medida visa mudar os nomes de pássaros que, em inglês, são epônimos — estão associadas de personalidades históricas. O problema, segundo a entidade, é que algumas das pessoas homenageadas possuem um passado polêmico.

“As convenções de nomenclatura excludentes desenvolvidas em 1800, obscurecidas pelo racismo e pela misoginia, não funcionam para nós hoje”, disse a CEO da AOS, Judith Scarl, em comunicado. “Chegou a hora de transformarmos esse processo e redirecionar o foco para os pássaros.”

Nomes “racistas” de alguns pássaros já foram alterados

Anteriormente, um relatório divulgado por meio da campanha “Bird names for birds” (“Nomes de pássaros para pássaros”, em tradução livre) identificou cerca de 150 pássaros da América do Norte com epônimos associados a “figuras problemáticas”.

Na primeira etapa do projeto, até 80 espécies devem receber novas designações.

Um dos exemplos é a ave McCown’s longspur, batizada em homenagem ao militar John McCown, que defendeu os Estados Confederados durante a Guerra Civil dos EUA, associação que tentou impedir o fim da escravatura no país.

Outro pássaro com nome alterado é o do gênero Rhynchophanes, que passou a ser chamado de Thick-billed longspur, mas manteve o nome científico Rhynchophanes mccownii. Ave teve o nome alterado para ‘Thick-billed Longspur’ | Foto: Wikimedia Commons/Andeansolitaire

De acordo com a AOS, espécies como Audubon’s shearwater, associada a um defensor da escravatura, e Bachman’s sparrow, cujo nome veio de um zoólogo que “disse frases racistas”, devem passar pela mesma mudança.

Nomes científicos vão permanecer iguais

As nomenclaturas científicas dos pássaros, como Haliaeetus leucocephalus, que identifica a famosa águia norte-americana, não vão ser modificadas como parte da iniciativa.

De acordo com a AOS, os nomes científicos das aves são revisados com frequência e passam por atualizações quando alguma inconsistência é identificada.

As modificações também podem ocorrer por causa de novas pesquisas publicadas, além de seguirem as regras da Comissão Internacional de Nomenclatura Zoológica.

A entidade justificou que a troca será necessária a alguns nomes que não descrevem as aves como elas realmente são. Ao escolher designações mais relevantes, os especialistas planejam valorizar aspectos importantes das características dos animais.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies