Manifestantes da esquerda bloqueiam ruas contra ‘Lei Ônibus’

Empurrões, bloqueios de ruas e gás lacrimogêneo marcaram os protestos de militantes de esquerda e sindicalistas contra o conjunto de medidas do presidente da Argentina, Javier Milei, nesta quarta-feira, 31.

O projeto, a chamada “Lei Ônibus” deve ser votada ainda esta noite na Câmara dos Deputados da Argentina. Em frente ao Parlamento, manifestantes protestaram contra o conjunto de medidas e entraram em confronto com a polícia.

Baderna de manifestantes da esquerda contra “Lei Ônibus” de Milei

O Ministério da Segurança havia avisado dias antes que utilizaria a operação antipiquetes. A polícia prendeu três manifestantes, um deles, um cidadão chileno de 30 anos, foi detido por desacato à autoridade e por ferir dois agentes da prefeitura de Buenos Aires.

Devido ao bloqueio de algumas vias importantes da capital argentina como as avenidas Entre Ríos e Rivadavia, o trânsito ficou interrompido, inclusive no horário de pico.

A polícia dispersou alguns manifestantes com spray de pimentas para liberar as ruas.

Megaprojeto

O governo de Milei tenta garantir votos suficientes para conseguir aprovar o conjunto de medidas. Porém, a oposição pretende barrar a “Lei Ônibus”.

Javier Milei - argentinos aprovam milei
O megaprojeto, também chamada de ‘Lei Ônibus’ de Javier Milei está sendo analisada pela Câmara dos Deputados. A proposta é um dos pilares da reforma do governo argentino para enfrentar a pior crise econômica do país | Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

O megaprojeto, que regula desde a política econômica à privatização de estatais, é um dos pilares da reforma do governo para enfrentar a pior crise econômica da Argentina em décadas, com uma inflação superior a 200%.

Este é o primeiro grande teste para Milei desde que assumiu o cargo em dezembro de 2023.

A aprovação do projeto de lei é um grande desafio, já que a coalizão partidária do presidente é minoria na Câmara e no Senado.

O governo retirou um capítulo fiscal do megaprojeto na semana passada para aumentar o apoio no Congresso.

Se a “lei ônibus” for aprovada na Câmara dos Deputados, ela será encaminhada na próxima semana para o Senado.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies