Mãe de duas crianças, empresária é condenada por Moraes a 17 anos de prisão; No país em que o judiciário liberta traficantes perigosos

No dia 1º de março, teve início o julgamento de Camila Mendonça Marques, empresária de Tubarão, Santa Catarina, que pode enfrentar uma condenação de 17 anos de prisão por sua suposta participação nos incidentes de 8 de janeiro em Brasília. A decisão inicial, proposta pelo ministro Alexandre de Moraes do Supremo Tribunal Federal (STF), considera a empresária responsável por múltiplos delitos, incluindo a tentativa de subversão do Estado Democrático.

Camila, mãe de duas crianças, foi detida durante os incidentes e, apesar de ter sido liberada por ser a principal cuidadora de seus filhos, enfrenta agora o risco de encarceramento em regime fechado. O julgamento está programado para concluir no dia 8 de março, pendente ainda da avaliação dos demais ministros do STF.

De acordo com o relato de Moraes, a detenção de Camila ocorreu em um contexto de flagrante no Palácio do Planalto. Análises do celular da acusada teriam revelado evidências de sua participação ativa nos ataques, incluindo imagens dela nos locais dos incidentes. A investigação também sugere um envolvimento financeiro de Marques nos eventos, baseando-se em seu extrato bancário.

Isso acontece no mesmo País em que o judiciário toma as seguintes decisões:

 FONTE/CRÉDITOS: Jornal Razão

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies