Macron ‘continua a se opor’ ao acordo da UE com o Mercosul

O presidente da França, Emmanuel Macron, disse, nesta quinta-feira, 1º, que vai “continuar a se opor” ao acordo entre a União Europeia e o Mercosul. O francês também disse que já informou sua oposição ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Além disso, Macron afirmou que “não precisa de um acordo” para comercializar com os sul-americanos. Ele disse que qualquer tratado que venha a ser considerado terá de ser “honesto”. 

Uma de suas exigências é que a Europa possa ter o controle de como a produção sul-americana agrícola é realizada. O comando seria em termos sanitários e ambientais. Caso os países europeus tenham esse domínio, os produtos estariam autorizados a entrar no mercado, avisou Macron.

Comissão Europeia é favorável ao acordo criticado por Macron

União Europeia
Macron argumenta que rejeita o tratado porque o pacote permite que produtos sul-americanos entrem no mercado europeu sem as mesmas regras de produção que existem na França | Foto: Håkan Dahlström/Wikimedia Commons

No entanto, países como Espanha, Alemanha, Portugal — e a própria Comissão Europeia — são favoráveis ao acordo entre os dois blocos. 

Conforme o portal UOL, na semana passada, os negociadores europeus cederam e aceitaram algumas das principais exigências do Brasil no acordo. 

Macron argumenta que rejeita o tratado porque o pacote permite que produtos sul-americanos entrem no mercado europeu sem as mesmas regras de produção que existem na França. De acordo com ele, isso é “incompreensível”. 

“Nossos agricultores querem que as regras sejam as mesmas para todos”, disse Macron, na Cúpula da União Europeia. “O que é incompreensível e que eu mesmo não sei explicar é que, enquanto colocamos regras de produção, importamos produtos que não respeitam essas regras. A regra que vale para a produção doméstica deve valer para o exterior. É simples.”

O presidente francês chegou a admitir que o Brasil é um parceiro comercial importante. Ele também disse que planeja viajar ao país em março. 

De acordo com Macron, a intenção é aproximar os dois governos. Contudo, o presidente francês afirmou que a viagem não significa que ele vai ceder ao acordo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies