Lula é um exemplo negativo, diz brasileiro eleito em Portugal

O brasileiro Marcus Vinícius Teixeira dos Santos, eleito deputado em Portugal no domingo (10.mar.2024) pelo partido Chega, classificou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como um exemplo negativo para o combate à corrupção.

“Lula, para nosso partido e a direita, é um exemplo do que não queremos em Portugal”, afirmou o deputado. A declaração foi dada em entrevista ao jornal O Globo na 2ª feira (11.mar).

Em 7 de março, o líder do partido Chega, André Ventura, afirmou que se fosse eleito como primeiro-ministro, proibiria a entrada de Lula no país em 25 de abril, data em que se comemora a Revolução dos Cravos.

“Se o Chega vencer as eleições legislativas, a 25 de abril de 2024 o senhor presidente do Brasil, Lula da Silva, não vai entrar em Portugal”, disse o deputado.

O parlamentar disse ainda que pediria a prisão de Lula se o chefe do Executivo brasileiro insistisse e fosse a Portugal. “Eu garanto-vos que, se eu for primeiro-ministro, o senhor Lula da Silva ficará no aeroporto. E, se insistir, vai para uma cadeia”, declarou.

Enquanto isso, o parlamentar disse que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) está plenamente de acordo com as aspirações da direita portuguesa, e que a vertente está crescendo na Europa. Usou exemplos como França, Polônia, Hungria e Holanda.

Assim como no país europeu, a direita também avançou na Argentina com a vitória do presidente Javier Milei, eleito em novembro de 2023. Nos Estados Unidos, Nikolas torce para que o ex-presidente Donald Trump vença a eleição para a Casa Branca neste ano.

Quanto à questão de imigrantes em Portugal, Santos declarou que o Chega defende o controle. “Não somos contra a imigração, porque em Portugal a população é muito envelhecida e precisamos de jovens para trabalhar. Defendemos que as pessoas venham para Portugal já com um contrato de trabalho. Há muitos brasileiros que exploram brasileiros. As pessoas chegam aqui, muitas vezes sem casa e sem trabalho, e acabam caindo em redes de tráfico humano”, disse.

Além disso, o deputado declarou que um dos principais objetivos de seu partido é proteger os portugueses da criminalidade. Afirmou que, segundo a Polícia Judiciária portuguesa (Polícia Federal do Brasil), há de 1.000 a 1.500 membros de uma facção criminosa brasileira em Portugal. “Já temos bandidos demais aqui”, falou.

O Chega, fundado em 2019, registrou um avanço significativo na quantidade de cadeiras conquistadas nas eleições. A legenda conquistou 48 cadeiras das 230.

Em 2019, havia conquistado somente uma cadeira, ocupado por André Ventura. Já nas eleições antecipadas de 2022, a legenda passou para 12 deputados, se tornando a 3ª maior força política do país, posto que manteve no pleito deste ano.

Poder 360

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies