Lula autoriza importação de até 1 milhão de toneladas de arroz

O governo Lula autorizou nesta quinta-feira, 9, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) a importar até 1 milhão de toneladas de arroz. A administração petista cita as enchentes no Rio Grande do Sul como justificativa para a medida provisória (MP) publicada em uma edição extra do Diário Oficial da União.

Segundo o governo, o objetivo é recompor os estoques públicos brasileiros. De acordo com o texto da MP, o arroz adquirido deverá ser distribuído preferencialmente a pequenos varejistas das áreas metropolitanas, sem a necessidade de licitação pública nem leilões em bolsas de mercadorias.

A importação, que pode incluir arroz beneficiado ou em casca, deve ocorrer durante o ano fiscal de 2024. Os Ministérios do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, da Fazenda, e da Agricultura e da Pesca definirão os volumes e as condições de compra e venda do grão.

Em resposta às preocupações do setor agrícola, o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, afirmou que o governo não pretende competir com os produtores locais, responsáveis por cerca de 70% da produção nacional de arroz.

Fávaro enfatizou que a Conab focará suas vendas no mercado de pequenos varejistas, e não nos atacadistas, que compram diretamente dos agricultores.

Carlos Favaro
O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, foi o que mais recebeu recursos próprios da Agricultura neste ano, com 43% do total | Foto: Guilherme Martimon/MAPA

Antes, porém, na terça-feira 7, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva já havia destacado considerar a importação de arroz e feijão. O chefe de Fávaro disse que a medida seria para colocar “na mesa do brasileiro” um produto compatível com “o que ele ganha”.  

A pauta do arroz antes da tragédia

Três dias antes do início da tragédia no Rio Grande do Sul, em evento na Embraer, no interior de São Paulo, realizado em 26 de abril, Lula comentou seu arrependimento por não ter comprado arroz da Venezuela, considerando o preço mais barato na ditadura comunista vizinha.

“A gente deu uma vacilada”, disse o petista. “Porque a gente deveria ter importado arroz mais barato da Venezuela. Mas é que a gente ficou na expectativa de que, quando começasse a colheita do arroz no Brasil, a gente ia baratear o arroz.”

Os comentários estão fechados, mas trackbacks E pingbacks estão abertos.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies