Lula anuncia GLO 5 dias depois de dizer que não recorreria à GLO

Na quarta-feira 1º, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recorreu à Operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para reforçar o policiamento em portos e aeroportos no Rio de Janeiro e em São Paulo. A decisão ocorre cinco dias depois de o petista negar que aplicaria tal medida.

“Não quero as Forças Armadas nas favelas, brigando com bandido”, justificou Lula, em coletiva de imprensa realizada na sexta-feira 27. “Não é esse o papel das Forças Armadas. Enquanto eu for presidente, não tem GLO.”

Mudança de ideia

Ontem, Lula anunciou a GLO ao lado dos ministros Flávio Dino (Justiça e Segurança Pública), José Mucio (Defesa) e Silvio Costa Filho (Portos e Aeroportos).

No Estado Fluminense, a operação também ocorrerá em dois portos: Rio de Janeiro e Itaguaí. Em São Paulo, a ação se dará no maior porto do país, o de Santos. A Marinha atuará nos acessos aos portos e no Lago do Itaipu, na fronteira com o Paraguai.

Entenda | O que é a Garantia da Lei e da Ordem (GLO)?

Os aeroportos do Galeão (RJ) e de Guarulhos (SP) também estão inclusos na GLO anunciada por Lula. O governo federal comunicou ainda o início de operações nas fronteiras de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e do Paraná.

“Chegou a uma situação muito grave”, justificou Lula, em entrevista coletiva. “A violência a que que temos assistido tem se agravado a cada dia que passa. Então, resolvemos tomar uma decisão, fazendo que o governo federal participe ativamente [] para que a gente possa ajudar o governo dos Estados a se livrar do crime organizado.”

O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, explicou que a GLO funcionará diferente das operações realizadas anteriormente. As ações divulgadas pelo governo acontecerão apenas em locais com jurisdição federal.

“Não vamos substituir policias estaduais, porque a Constituição fixa a atribuição dos Estados, da Polícia Militar e Polícia Civil”, explicou Dino. “O que estamos fazendo, fizemos no Rio Grande do Norte, na Bahia. Agora estamos fazendo no Rio de Janeiro. É apoiar as polícias estaduais.”

Dino também disse que o principal objetivo do governo é atingir os pontos de abastecimento do tráfico das drogas, de armas e de produtos contrabandeados. Isso deve afetar negativamente as finanças das milícias e quadrilhas criminosas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies