‘Lei ônibus’ de Milei deve enfrentar Câmara depois de ‘redução’

O presidente da Argentina, Javier Milei, deve levar a “lei ônibus”, medida que prevê uma reforma no país, para ser discutida na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira, 31.

No entanto, o projeto chega ao plenário reduzido, visto a resistência de parlamentares, governadores e de parte da população.

Dos 664 artigos originais, apenas 386 “sobreviveram”. Com as oposições ao projeto, a lei teve de ser diminuída ao longo das últimas três semanas. A redução também pode ter resultado de debates em comissões, greve geral e de intensas negociações do governo para obter maior aprovação.

A votação, que pode durar mais de 30 horas vai colocar à prova o apoio da chamada “oposição dialogista” a Milei, formada por partidos de direita, centro-direita e centro. Outras siglas deram sinal de serem a favor da nova medida, mas com ressalvas.

“Até agora há uma clara derrota do governo, porque precisou diminuir a lei ônibus praticamente à metade e retirar grande parte do pacote fiscal”, disse o analista econômico Guido Bambini, conforme o jornal Folha de S.Paulo. “Mas não me atreveria a dizer que é uma derrota total, porque se os deputados a aprovarem, ainda será uma vitória.”

Sobre a “Lei ônibus” de Milei

Um dos artigos da nova lei concede “poderes excepcionais” a Milei em diversas áreas, durante a situação de emergência no país.

Milei | Milei afirmou que há 'lentidão' no Congreso da Argentina por causa de 'subornos' | Foto: Reprodução/Instagram/tato_aguilera
Milei e aliados têm enfrentado dura oposição na Câmara | Foto: Reprodução/Instagram/tato_aguilera

Milei queria que esses poderes durassem por até quatro anos. O texto continua, mas o prazo havia sido para no máximo dois anos, e não deve valor para assuntos fiscais e previdenciários.

Em resumo, o “coração” fiscal da reforma ficou de fora. A medida incluía uma nova fórmula de reajuste da aposentadoria, a ampliação do imposto de renda e o aumento da taxação de exportações.

Mas o presidente manteve a possibilidade de contrair dívidas externas sem o aval do Congresso, bem como a privatização total ou parcial de 40 estatais, por exemplo.

Para que a sessão ocorra nesta quarta, é necessário um quórum (quantidade mínima obrigatória de membros presentes ou formalmente representados) de 129 dos 257 deputados.

Conforme o jornal argentino Clarín, o governo conseguiu reunir 116 deputados que devem votar total ou parcialmente a favor da medida, enquanto a coalizão peronista e a esquerda reúnem ao menos 104 que votarão contra.



Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies