Leandro Demori endossa ataques contra jornalista do ‘Estadão’

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O jornalista Leandro Demori, que recebe R$ 36,5 milénio por mês na Empresa Brasil de Notícia (EBC), usou as redes sociais para endossar os ataques contra a jornalista Andreza Matais, do jornal O Estado de S. Paulo.

Andreza tornou-se escopo de interlocutores do governo Luiz Inácio Lula da Silva e do Partido dos Trabalhadores (PT) depois de participar das reportagens que comprovaram a presença de Luciane Barbosa Farias, a “Mulher do Tráfico”, em eventos promovidos pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, de Flávio Dino, e pelo Ministério dos Direitos Humanos, Silvio Almeida.

No Twitter, Demori compartilhou uma reportagem da Revista Fórum que versa sobre a suposta trama do Estadão para manchar a imagem do ministro da Justiça e Segurança Pública. Labareda atenção, no entanto, que a material cita o próprio funcionário da EBC porquê manadeira de informação.

O texto afirma que O Estado de S. Paulo e Andreza tornaram-se “porta-vozes da extrema direita”, sem reportar que ambos os personagens divulgaram recentemente denúncias contra o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), porquê o caso das emendas de relator e das joias sauditas.

O contrato do jornalista com a Empresa Brasil de Notícia é de R$ 441,5 milénio e terá duração de 12 meses. Ele receberá essa quantia ao longo do período de contratação para apresentar o programa Dando a Real com Demori.

Ao término do primeiro ano de contrato, há a possibilidade de renovação por mais 60 meses. Isso significa que o concórdia entre a Escola de Jornalismo, de Demori, e a emissora solene do governo brasílico poderá continuar mesmo se o presidente Luiz Inácio Lula da Silva perder a próxima eleição majoritária, em 2026.

Oeste teve aproximação à integra do contrato, assinado pela diretora de teor e programação da EBC, Antônia Soares Pelegrino, e pelo diretor-presidente da emissora, Hélio Marcos Prates.

O concórdia teria a finalidade de promover “o aproximação à informação por meio da pluralidade de fontes de produção e distribuição de teor”, a “produção e a programação com finalidades educativas, artísticas, culturais, científicas e informativas” e o incentivo à “cultura vernáculo, à produção regional e à produção independente”.

Labareda atenção, no entanto, que a lista de convidados do programa seja restrita ao público dito “progressista”.

Participaram do talk show o ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida; o cantor Roger Waters, publicado por endossar as pautas de esquerda; as deputadas Jandira Feghali, Erika Hilton e Camila Jara; e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federalista (STF).

O programa com Roger Waters é o que conquistou o maior público: 70 milénio visualizações no YouTube, com três meses no ar. Na sequência aparecem Erika Hilton (49 milénio) e Gilmar Mendes (19 milénio), ambos com um mês no ar, enquanto o restante apresentou números mais baixos.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies
%d blogueiros gostam disto: