Israel atinge 300 alvos do Hamas em operação na Faixa de Gaza

As Forças de Defesa de Israel (FDI) seguem na luta contra o terrorismo. Pelas redes sociais, a corporação avisou que, na segunda-feira 30, atingiu cerca de 300 bases do Hamas.

De acordo com as FDI, bombardeios ocorreram contra infraestruturas sob manutenção do grupo terrorista. Entre os alvos das autoridades israelenses estiveram, por exemplo, postos de mísseis antitanque, bases para lançamentos de foguetes e túneis subterrâneos usados por criminosos.

Além disso, Israel garantiu ter sucesso ao atacar alguns dos integrantes do movimento extremista. Conforme as informações, “numerosos terroristas do Hamas foram eliminados” no decorrer do dia.

A operação ocorreu na Faixa de Gaza, território palestino que está sob controle político dos terroristas do Hamas desde 20007. Em guerra contra Israel, os criminosos seguem sob poder de mais de 200 reféns. Nesta segunda-feira, 30, por exemplo, confirmou-se a morte de uma das raptadas pelo grupo. A DJ alemã-israelense Shani Louk, de 22 anos, estava sob poder dos extremistas desde 7 de outubro. A família dela confirmou a morte.

A guerra de Israel contra terroristas do Hamas

Israel está em guerra contra o Hamas desde 7 de outubro. Na data, militantes do grupo terroristas invadiram o território israelense para sequestrar, estuprar e assassinar centenas de pessoas que estavam em um festival de música eletrônica no sul do país. A DJ Shani foi, por exemplo, um dos alvos das ações de sequestro. Em meio à ação criminosa, três brasileiros morreram: Ranani Glazer, Bruna Valeanu e Karla Stelzer Mendes.

Mesmo com brasileiros assassinados, membros da esquerda do Brasil defenderam o grupo terrorista. Em evento na Avenida Paulista, em São Paulo, os militantes do nanico PSTU anunciaram que estavam “na trincheira do Hamas”. Além disso, queimaram a bandeira de Israel e pregaram a dissolução do país judeu no Oriente Médio.

Na última semana, a diretora de finanças do PT e conselheira da Itaipu Binacional, Gleide Andrade, afirmou que Israel “não merece ser um Estado”. Posteriormente, ela tentou justificar a fala antissemita.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies