ISENÇÃO do IPTU! Veja quem pode economizar em Impostos

No cenário atual de revisão de políticas fiscais do Rio, um novo foco surge. A Prefeitura do Rio de Janeiro apresentou um projeto de lei para revisar os critérios de isenção do IPTU e da taxa para coleta de lixo para mais de 928 mil prédios na cidade. Lembrando que a ação faz parte de um conjunto maior de medidas traçadas para fomentar o desenvolvimento e a valorização imobiliária ao longo da icônica Avenida Brasil, que também irão receber benefícios fiscais.

O projeto pretende alterar uma disposição vigente da lei do IPTU, sancionada em 2017, que atualizava anualmente, pelo índice inflacionário, o Valor de mercado dos imóveis que se encaixavam nos critérios de isenção. Entretanto, desde o início desta lei, houve um aumento significativo no número de contribuintes isentos em todo o município, principalmente nas regiões norte e oeste do Rio, onde os imóveis tendem a ser de menor Valor. Isso representa um acréscimo de 76.777 contribuintes da lista.

Qual será Valor de isenção do IPTU?

Sob a nova proposição, o Valor venal dos imóveis residenciais que qualificam para a isenção foi fixado em R$ 74.471, contrariando informações anteriores de que esse Valor seria reduzido para R$ 55 mil. Essa medida é temporária, segundo a prefeitura, até que um novo indicador para definir isenções seja estabelecido.

O impacto geral da mudança

O Subsecretário Municipal de Fazenda, Ricardo Martins, defende a legalidade das mudanças feitas até agora. Afirmou ainda que o objetivo da alteração é “corrigir uma distorção da lei anterior”. Na visão dele, sem essa alteração, a cidade estaria se encaminhando para um cenário onde metade dos proprietários não pagaria IPTU, comprometendo a receita municipal e deslocando a carga tributária para quem ainda pagaria.

As disposições atuais, que aumentaram o número de contribuintes isentos de aproximadamente 400 mil para 852.780 desde 2018, representaram uma perda de receita estimada em R$ 402 milhões apenas em 2023. “Nossa intenção é voltar aos parâmetros de 2017, mas isso não ocorrerá de forma automática já em 2024. O que vai acontecer é que parte desses contribuintes vai voltar a recolher IPTU, mas não serão valores elevados, pelo perfil dos imóveis”, concluiu Martins.

Vale ressaltar que as mudanças propostas não implicam necessariamente que aqueles que passaram a ter direito à isenção após a alteração da lei começarão a pagar o imposto. Como os imóveis perdem 1% de seu Valor venal inicial todo ano, alguns podem acabar se aproximando ou mesmo ficando abaixo do limite de R$ 55 mil, garantindo a manutenção da isenção.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading