Influenciadores de finanças vão ser regulamentados

Com o aumento do número de “finfluencers“, ou os influencers de finanças, a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) elaborou um projeto que visa a regulamentar essa atividade. As regras começam a valer a partir de 13 de novembro.

A principal regra consiste na obrigatoriedade de o influenciador informar ao seu público que suas publicações patrocinadas são publicidades. Ele também deve mostrar quais são as instituições financeiras contratantes.

De acordo com o manual da Anbima, será validada somente a “menção verbal ou escrita na própria publicidade ou, ainda, a adição de hashtags, mencionando minimamente que se trata de publicidade e vinculando ao distribuidor (#parceria e #nomedainstituição)”.

Houve um grande crescimento no alcance dos influenciadores de finanças nos últimos anos. Os “finfluencers” totalizaram 515 no primeiro semestre de 2023 e a sua quantidade de seguidores aumentou 6%, cerca de 176,3 milhões.

Dentre os influencers mais relevantes de 2023 estão:

  • Gustavo Cerbasi;
  • Flávio Augusto ;
  • O Primo Rico;
  • Tiago Guitián Reis;
  • Bruno Perini;
  • Economista Sincero;
  • Rafael Zattar;
  • Cristiane Fensterseifer; e
  • Carol Dias Riqueza Em Dias.

Instituições contratantes devem se responsabilizar por “veracidade de informações divulgadas”

A segunda regra é uma maior responsabilização das instituições contratantes pelos influencers e pelo conteúdo veiculado. O objetivo é assegurar a “veracidade das informações divulgadas em sua completude, de modo a não levar o investidor a erro”.

Também será necessário que haja uma garantia de que os “contratados possuam, caso aplicável, as devidas certificações necessárias” para abordar conteúdos de finanças ou investimentos que venham a abordar.

Caso não haja a certificação que a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) exige, não será permitido fazer recomendações de investimentos, mas tão somente fornecer explicações didáticas, sem mencionar ativos específicos.

A fim de controlar a fiscalização, as instituições deverão disponibilizar e atualizar a relação dos influenciadores contratados encaminhada à Anbima. Desta maneira, caso não sigam as regras, as empresas sofrerão penas corretivas.

Entretanto, a normativa não menciona as punições para aquelas companhias que descumprirem as regras.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies