Homem é preso depois de tentar vender violino furtado de 100 anos para o próprio dono

Na quinta-feira 8, na região central da cidade de São Paulo, um homem de 40 anos de idade foi preso em flagrante enquanto tentava vender um violino furtado para o seu próprio dono. O instrumento foi avaliado em R$ 20 mil e foi fabricado há mais de 100 anos.

O violino havia sido furtado por ladrões em outubro de 2023, quando o dono se apresentara em um clube da zona norte da capital. O proprietário do instrumento é um músico de Itapetininga, interior do Estado. No momento da abordagem da Polícia Civil, o suspeito alegou que havia comprado o instrumento de cordas na região da Cracolândia, no centro da capital.

O violino era uma herança de família

O violino do músico de Itapetininga era uma herança de família. O dono passou a monitorar sites de comércio eletrônico depois de denunciar o furto à Polícia Civil. Assim, ele acabou localizando o seu instrumento em sites de venda.

O dono entrou em contato com o suposto vendedor, dispondo-se a pagar o valor pedido e marcou um encontro com o detentor do violino na Estação da Luz, na capital.

Cracolândia
O suspeito alegou que havia comprado o instrumento de cordas na região da Cracolândia, no centro da capital. Foto: Reprodução/Redes Sociais

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP/SP), a vítima do furto acionou o 13º Distrito Policial — no qual o furto do instrumento já era investigado. A polícia foi até o local onde encontrou o suspeito de posse do objeto. O verdadeiro proprietário reconheceu o seu violino.

Interpelado pela polícia, o suspeito alegou que havia comprado o instrumento sem saber do furto. Ele foi conduzido à delegacia, onde foi autuado por receptação.

O delegado fixou fiança de R$ 1,4 mil para que o suspeito respondesse pela acusação em liberdade. Porém, segundo a SSP, quando os investigadores pesquisaram a identificação fornecida pelo suspeito descobriram que ele havia fornecido o nome de outra pessoa — sem antecedentes criminais.

Ademais, ele já era procurado pela Justiça, por isso permaneceu preso. A SSP confirmou ao Estadão que o caso foi registrado como receptação, falsificação ideológica e captura de procurado no 13º Distrito Policial.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading