Homem absolvido por assassinar o pai mata a mãe e é preso

A Polícia Militar do Piauí (PM-PI) prendeu um homem, por matar a própria mãe, na tarde da quinta-feira 25, cinco anos depois de assassinar o pai, em Ceilândia (DF). O jovem de 23 anos espancou e esfaqueou Benedita Silva Nunes, de 49 anos, em Corrente (PI).

Em 2019, depois do primeiro crime de parricídio, a Justiça absolveu o homem e determinou a internação do criminoso, após a defesa apresentar laudo de transtornos mentais.

Benedita morreu em casa. O rosto apresentava cortes de faca e o corpo, sinais de espancamento. De acordo com a PM-PI, Nunes quebrou os dentes da mulher e desferiu golpes na cabeça com uma barra de ferro.

No dia do crime, a irmã de Nunes entrou no imóvel e encontrou Benedita morta. Mesmo foragido, a polícia encontrou o criminoso e o levou para a delegacia de Corrente.

morte pai mãe 
 | Benedita Silva Nunes foi assassinada pelo seu filho, Victor Gabriel, depois de uma discussão | Foto: Reprodução/Redes sociais
Benedita Silva Nunes foi assassinada em casa pelo seu filho, Victor Gabriel, depois de uma discussão | Foto: Reprodução/Redes sociais

Relação conturbada entre o homem, seu pai e sua mãe

Benedita costumava ter brigas com seu filho, por não aprovar o uso de drogas. Segundo as investigações, Benedita tentava ajudá-lo a se livrar do vício. Nunes usou uma dessas brigas, novamente, como justificativa para o crime.

Sobre o pai, José Claudio Barbosa de Paula, de 42 anos, à época, o criminoso alegou que sofria ameaças de morte do pai e confessou que o atacou em razão disso. O estopim para a tragédia teria sido uma discussão sobre o consumo de drogas em casa. Nunes é dependente químico. A prisão de Nunes se deu quando ele tinha 18 anos.

Os policiais militares encontraram Nunes com uma faca na mão e o pai sobre o colo. Na ocasião, o criminoso ainda feriu outra pessoa, que tentou impedir o crime.

Argumentos da Justiça

Apesar de Nunes confessar o crime, a juíza Vivian Lins Cardoso libertou o assassino, por entender que não haveria “perturbação à ordem pública”.

Na ata da audiência de custódia do preso, em 21 de outubro de 2019, a magistrada considerou que, por se tratar de “crime passional”, não havia elementos que indicassem “a mesma intenção homicida contra outras pessoas”.

Além disso, o fato de Nunes ser réu primário na ocasião, sem ficha criminal, contribuiu para a decisão de soltura. Assim, para Vivian, o monitoramento eletrônico seria “suficiente”.

Apesar de Nunes ser alvo de mandado de prisão preventiva em 2019, a Justiça do Distrito Federal concedeu habeas corpus ao criminoso. No fim de 2020, com o laudo da perícia que atestou os transtornos mentais, o juiz determinou a internação de Victor.

Em maio de 2021, ele foi ao Tribunal do Júri, que o absolveu pelo homicídio do pai. Como medida de segurança, porém, o magistrado determinou a internação do réu pelo período de ao menos um ano.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies