Hamas cometeu ‘crimes sexuais sádicos’ no dia do ataque a Israel, indica relatório

Um relatório recentemente divulgado pela Associação de Centros de Crise de Estupro em Israel (ARCCI) revelou a realidade cruel dos estupros cometidos pelo Hamas contra israelenses. Os “crimes sexuais sádicos” aconteceram depois que o grupo terrorista atacou Israel no dia 7 de outubro de 2023.

De acordo com o jornal israelense The Jewish Chronicle (JC), o documento foi traduzido para o inglês e enviado para os escritórios das Nações Unidas a fim de “não deixar espaço para negação ou desrespeito”.

O documento foi produzido por Carmit Keller-Halamish e Nega Berger, e analisa relatos de testemunhos públicos e confidenciais sobre casos de violência sexual. O texto traz também relatos de testemunhas oculares dos abusos, e entrevistas com vítimas e socorristas.

A organização terrorista Hamas decidiu ferir o Estado de Israel com duas estratégias claras: levar civis para cativeiros e cometer crimes sexuais sádicos

Orit Soliciano, CEO da Associação de Centros de Crise de Estupro

O CEO da ARCCI acrescentou que “já não é possível ficar calado — esperamos que as organizações internacionais tomem uma posição clara, é impossível permanecer em silêncio. Ficar do outro lado será lembrado como uma mancha histórica para todos aqueles que optaram por permanecer calados e negar os crimes sexuais cometidos pelo Hamas”.

Hamas
Invasão do grupo terrorista Hamas deixou mais de 1,2 mil mortos em Israel | Foto: Reprodução/IDF

Como ocorreram os crimes sexuais

O JC destaca que o primeiro relatório oficial sobre o elemento sexual das atrocidades cometidas pelo Hamas mostra a forma sistemática e deliberada como ocorreu a violência sexual. Durante os ataques terroristas, mais de mil pessoas foram assassinadas, milhares ficaram feridas e 253 foram sequestradas.

Ainda segundo o relatório da ARCCI enviado às Nações Unidas, a violência sexual ocorreu em todos os lugares nos quais os terroristas invadiram, incluindo o festival de música Supernova, cidades, vilas e também bases das Forças de Defesa de Israel (FDI). Os reféns que permanecem em Gaza continuam a ser vítimas da violência e do terror.

Alguns dos exemplos de crimes sexuais cometidos pelo Hamas incluem atos de violação0 com armas apontadas às vítimas — em alguns casos com armas dirigidas a mulheres feridas. Diversos estupros coletivos ocorreram também. Em muitas ocasiões, as violações foram cometidas intencionalmente na frente de maridos, namorados e familiares a fim de maximizar a dor e o terror.

Os terroristas a serviço do Hamas realizaram uma verdadeira expedição de caça a fim de capturar jovens que tentavam escapar da carnificina no festival de música. Elas foram arrastadas pelos cabelos. O documento destaca também que a violência sexual visou homens, além de mulheres e adolescentes. Os corpos das vítimas foram amarrados, e os órgãos genitais (de homens e mulheres) foram mutilados com facas.

Em alguns casos, armas foram introduzidas nos órgãos genitais das vítimas dos terroristas. E na maioria dos casos, as pessoas sequestradas foram executadas durante ou logo depois dos estupros.

Leia também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies