Governo tira quase 2 milhões de famílias ‘unipessoais’ do Bolsa Família

O ajuste do Cadastro Único tirou 1,7 milhão de famílias “unipessoais”, compostas de apenas um integrante, da lista de beneficiários do Bolsa Família. Com a revisão, a proporção das famílias no programa caiu de 27,2%, em dezembro de 2022, para a 19,7%, em dezembro de 2023.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, os indivíduos recebiam o benefício irregularmente ou integravam uma família menor na classificação. Isso porque o próprio programa sugere a opção de receber o valor mínimo, independentemente do número de membros — o que poderia enviesar a opção do cadastro.

O número de famílias “unipessoais” saltou de 1,84 milhão, em dezembro de 2018, para 5,88 milhões, em dezembro de 2022. A alta é de 220%. No mesmo período, a expansão das demais famílias chegou a 28%. Depois do ajuste, cerca de 400 mil mantiveram o benefício como dependentes em uma família maior.

Conforme o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, a regularização forçou a queda do número de unipessoais dentro do programa assistencialista para 4,15 milhões.

As medidas para regularizar o cadastro do Bolsa Família

Bolsa Familia
Segundo o governo, a medida faz parte de um esforço para aprimorar a gestão do programa e garantir que o benefício chegue às pessoas que realmente precisam | Foto: Sergio Amaral/MDS

O novo processo para ingressar ao Bolsa Família exige a assinatura de um termo de responsabilidade pelo beneficiário, um registro de cópia digitalizada dos documentos e uma visita de agentes da prefeitura à residência da pessoa, a fim de averigurar se ela vive mesmo sozinha.

Em agosto de 2023, o governo brasileiro fixou um limite de 16% para famílias unipessoais na folha de pagamento do programa — um porcentual recorrentemente fiscalizado.

Em 2024, o ministério vai promover uma revisão cadastral para atualizar registros antigos. A meta é alcançar ao menos 4,7 milhões, dos quais 1,7 milhão de beneficiários do Bolsa Família.

Além disso, há uma parceria com o Ministério da Gestão e Inovação para modernizar o CadÚnico e inseri-lo em um sistema que consegue conversar com outras bases de dados. O exemplo seriam atualizações automáticas de renda.

As novas regras do programa

As famílias com direito ao benefício precisam comprovar renda familiar de até R$ 218. Esse valor corresponde à soma de todas as rendas daquele lar, dividida pelo número de membros.

Cada integrante da família recebe R$ 142 mensais. Há ainda a garantia de um pagamento mínimo de R$ 600 por família, se a soma dos benefícios não for suficiente.

O programa também prevê um adicional de R$ 150 por criança de 0 a 6 anos, e outro de R$ 50 para crianças e adolescentes entre 7 e 18 anos incompletos, bem como para gestantes.

Todavia, somente o cadastro não garante a entrada ao programa. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, o governo verifica os requisitos e identifica os públicos prioritários (indígenas e quilombolas, por exemplo). Caso a família se enquadre nas regras, é habilitada. O benefício também depende de espaço no Orçamento.

Ainda que o indivíduo consiga um emprego de carteira assinada, não perde o benefício. Se, ao incorporar o salário do novo emprego, a renda familiar ficar entre o patamar de R$ 218 e R$ 706, a pessoa recebe metade do benefício por até dois anos.

Se a renda ultrapassar o valor de R$ 706, o beneficiário pode sair do Bolsa Família, mas com a possibilidade do “retorno garantido” caso perca o emprego ou outra fonte de renda. O recurso só vale para as saídas voluntárias do programa.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies