Gigantopithecus, o maior primata da história

O Gigantopithecus blacki tinha quase a mesma altura de uma cesta de basquete (3,05 m) e o peso de um urso pardo, e foi o maior primata que já existiu. Durante mais de um milhão de anos, no Pleistoceno,  o Gigantopithecus viveu no sul da China.

Quando os seres humanos chegaram à região em que ele vagava, o maior macaco da história já tinha desaparecido. Recentemente, um grupo de cientistas decidiu analisar pistas preservadas em dentes de Gigantopithecus e sedimentos de cavernas para descobrirem como esses primatas morreram.

No início de janeiro, as descobertas dos pesquisadores foram publicadas na revista Nature. Elas revelaram que os Gigantopithecus morreram por causa de uma dieta especializada e pela incapacidade de se adaptaram  a um ambiente em constante mudança.

Gigantopithecus blacki perdeu as florestas densas em que vivia

Recentemente, um grupo de cientistas decidiu analisar pistas preservadas em dentes de Gigantopithecus e sedimentos de cavernas para descobrirem como esses primatas morreram | Foto: Wikimedia Commons/Concavenator

O Gigantopithecus foi descoberto em meados da década de 1930, em um boticário de Hong Kong onde seus molares excepcionalmente grandes estavam sendo vendidos como “dentes de dragão”.

O maior macaco da história foi batizado em homenagem a Davidson Black, o cientista canadense que estudou o homem de Pequim, um ancestral humano primitivo. Décadas a seguir, pesquisadores descobriram cerca de 2 mil dentes de Gigantopithecus e um punhado de fósseis de mandíbulas em cavernas no sul da China.

A falta  de ossos fossilizados dificulta a reconstrução do Gigantopithecus. Por isso, os paleoartistas o retratam como um macaco parecido com um orangotango (seu parente vivo mais próximo) cruzado com um gorila de costas prateadas, mas maior, segundo o jornal norte-americano The New York Times.

Yingqi Zhang, paleontólogo do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia, em Pequim, e um dos autores do novo artigo, estudou os fósseis do primata por mais de dez anos. Zhang precisava determinar exatamente quando o Gigantopithecus desapareceu para descobrir porque ele foi extinto. Por isso, ele se uniu a Kira Westaway, geocronologista da Universidade Macquarie, na Austrália.

Os cientistas analisaram materiais do primata recolhidos de 22 cavernas do sul da China, isótopos e pólen nas amostras para recriar o ambiente da região na época em que o Gigantopithecus desapareceu. Eles também compararam os padrões de desgaste dos dentes do macaco com os dentes fossilizados do Pongo weidenreichi, um orangotango extinto que viveu ao lado do Gigantopithecus.

Eles descobriram que o Gigantopithecus foi extinto entre 295 mil e 215 mil anos atrás. As datas são muito mais recentes do que as estimativas anteriores. Elas também combinam com um período dinâmico de mudanças ambientais.

Mandíbula inferior de Gigantopithecus (fundido). Exibição pública, Museu de História Natural de Cleveland, EUA | Foto: Wikimedia Commons/James St. John

Os cientistas também descobriram que antes da janela de extinção, o ambiente local era dominado por árvores sempre verdes, em florestas de dossel fechado. O Gigantopithecus estavam bem adaptado a esses ambientes, e se alimentava de plantas fibrosas, frutas e flores.

Há cerca de 600 mil anos o clima da região começou a mudar com as estações do ano, e florestas densas deram lugar a um mosaico de florestas abertas e pastagens, o que resultou em “períodos secos em que era difícil encontrar frutas”, disse Westaway.

O Gigantopithecus se alimentava de plantas fibrosas, frutas e flores | Imagem ilustrativa | Foto: Reprodução/Imagine.art

Diferente dos antigos orangotangos, que se adaptaram com uma dieta diversificada de brotos, nozes, sementes e insetos, o Gigantopithecus passou a se alimentar alternativas menos nutritivas, como cascas e galhos.

O tamanho do Gigantopithecus passou a trabalhar contra ele. Enquanto o orangotango percorria distâncias maiores por meio das copas das árvores e em ambientes abertos para comer, o Gigantopithecus terrestre ficava restrito a trechos cada vez menores de floresta.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading