França volta a afirmar que acordo com Mercosul não vai ser assinado

Seguindo a declaração do presidente francês, Emmanuel Macron, o ministro de Economia e Finanças da França, Bruno Le Maire, também disse que o acordo entre a União Europeia e o Mercosul não deve ser assinado. A declaração de Le Maire é desta quarta-feira, 31, quando deu entrevista à rádio francesa CNews/Europe 1.

+ Leia as últimas notícias de Mundo no site da Revista Oeste.

Na segunda-feira 29, Macron disse, conforme noticiou a agência Reuters, que a União Europeia tinha encerrado as negociações e não fecharia o acordo comercial com o Mercosul. 

+ Acordo da União Europeia com o Mercosul é impossível, diz Macron

Os agricultores do país são contrários ao acordo, que traria ainda mais prejuízos ao setor, já extremamente afetado por leis ambientais cada vez mais rígidas e restritivas. Os produtores franceses temem a concorrência com os países do Mercosul, especialmente Brasil e Argentina.  

Recentemente, fazendeiros de diversos países da União Europeia começaram uma onda de protestos contra os governos. Os agricultores franceses, alemães, belgas e poloneses estão irritados com o aumento dos custos e com as importações baratas.

França já reiterou ser contrária a acordo entre União Europeia e Mercosul

artigo de lucas ferraz sobre o futuro do mercosul
Mercosul inclui Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai; a Venezuela foi suspensa em 2017 | Foto: Reprodução/Portal da Indústria

A França já manifestou repetidamente reservas sobre o tratado União Europeia-Mercosul, sugerindo que o acordo não seria assinado. O governo do país afirma que os agricultores não querem a competição com produtos agrícolas — especialmente a carne bovina — que não cumprem os padrões rigorosos da União Europeia. Já o Mercosul não pretende ceder às exigências sanitárias e ambientais. 

+ Brasil e Argentina sustentam o Mercosul

A Comissão Europeia rejeitou na terça-feira 30 a opinião francesa pelo fim das negociações com o Mercosul e reafirmou que pretende concluir um acordo de comércio livre com o bloco sul-americano. 

Mesmo com a resistência da França, as negociações foram retomadas na semana passada e devem seguir pelos próximos meses, disseram à agência Reuters pessoas que acompanham as conversas. Para ter validade, o acordo com o Mercosul precisa necessariamente da aprovação dos 27 países integrantes da União Europeia.

Essa reunião foi a primeira desde dezembro, quando as negociações foram suspensas pelo então governo da Argentina com o objetivo de deixar para o novo presidente, Javier Milei, a continuação das tratativas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies