Fantástico! 10 tecnologias futuristas que já existem

Sabemos que a ciência está constantemente progredindo nos bastidores, embora a maioria de nós não tenha ideia de quão longe ela chegou nos últimos anos. Muitas tecnologias que já foram consideradas ‘futurísticas’ e só existiam no reino da ficção científica são agora uma realidade – de capas de invisibilidade a próteses controladas pela mente e armas autônomas avançadas.

10. Hologramas realistas

Os hologramas já estão em uso há algum tempo na forma de papel holográfico – uma técnica de impressão que usa ondas de luz para criar uma aparência tridimensional. Eles são mais comumente usados ​​como um anti-falsificação para medir coisas como notas bancárias, bilhetes, cartões de identificação e etiquetas de produtos, entre outros usos.

Mais recentemente, no entanto, os hologramas assumiram uma forma muito mais avançada, graças a inovações em áreas como realidade aumentada e virtual. Tecnologias como a do MIT holografia de tensor agora são capazes de usar inteligência artificial e aprendizado de máquina para renderizar holografias verdadeiramente realistas, que podem, por sua vez, interagir de várias maneiras para torná-las mais imersivas.

Uma vez totalmente realizada, a tecnologia de holograma pode ser usada para uma variedade de propósitos. Imagine ser capaz de realizar uma chamada de conferência totalmente holográfica, com os participantes localizados em lugares completamente diferentes ao redor do mundo. Também pode ser usado para monitorar objetos remotos em locais perigosos, como plataformas de perfuração offshore, reduzindo enormemente os riscos associados ao trabalho.

9. Nanobots

Os nanobots, também chamados de nanorrobôs ou nanomáquinas, têm sido um elemento básico da ficção científica desde que podemos nos lembrar. Essas máquinas microscópicas, capazes de realizar tarefas complexas em nível celular ou molecular, foram imaginadas como minúsculos assistentes médicos, máquinas de reparo auto-replicantes e armas mortais. Na vida real, no entanto, a tecnologia nanobot sempre foi algo que pertence a um futuro distante, até recentemente.

Nos últimos anos, muitas equipes trabalhando em campo em todo o mundo fizeram progressos significativos em uma variedade de aplicações. Em 2018, pesquisadores de Hong Kong foram capazes de desenvolver bots que podem trabalhar em nível celular para matar tumores. Estes eram essencialmente fios de DNA reprogramados carregados com drogas quimioterápicas, especificamente projetadas para procurar e destruir tumores que um dia podem se transformar em câncer.

Em janeiro de 2020, outro grupo de pesquisadores de Tufts University deu um passo adiante e desenvolveu os primeiros nanobots vivos da história. Construídas com células-tronco retiradas de sapos, essas minúsculas máquinas – também chamadas de xenobots – podem se mover, curar a si mesmas e até se agrupar para criar novos bots tudo por conta própria.

8. Robôs Autônomos Letais

Robôs autônomos letais é um termo abrangente para armas que podem operar sem intervenção humana. Usando tecnologias como inteligência artificial e sensores remotos avançados, essas armas do futuro podem ser programadas para tomar decisões de alvo por conta própria, ignorando completamente a necessidade de soldados no terreno.

O mais preocupante é que armas com habilidades autônomas já começaram a aparecer em campos de batalha ao redor do mundo. Tanto a Rússia quanto a Ucrânia implantaram armas autônomas em sua guerra em andamento, e um relatório da ONU alegou que a Turquia havia usado seus drones autônomos Kargu-2 para caçar soldados da Líbia durante a guerra civil da Líbia. Atualmente, quase todos os grandes poderes militares estão trabalhando em suas próprias capacidades autônomas letais, apesar da forte oposição de grupos de direitos e cientistas que procuram limitar a tecnologia.

7. Próteses controladas pelo pensamento

As próteses que podem ser controladas instintivamente com o cérebro só foram imaginadas na ficção científica, embora algumas descobertas nos últimos anos possam torná-las realidade mais cedo do que pensamos.

Em andamento, pesquisa na Universidade de Michigan é responsável por muitos desses avanços. Em 2020, pesquisadores da universidade desenvolveram uma técnica para amplificar sinais fracos dos nervos amputados para controlar uma mão robótica em tempo real, completa com controle intuitivo no nível do dedo da prótese. A abordagem envolve minúsculos enxertos musculares, algoritmos de aprendizado de máquina e eletrodos implantados em áreas do cérebro que controlam o movimento e processam a sensação de toque de um membro natural. Com base nesse estudo, outra equipe da mesma universidade desenvolveu algo chamado a Interface Nervosa Periférica Regenerativa (RPNI) – um pequeno músculo enxertado no final do nervo cortado.

6. Capa da Invisibilidade

As verdadeiras capas de invisibilidade foram apresentadas em todos os tipos de cenários fictícios, possivelmente porque fornecem uma mecânica fácil para avançar a história em uma direção específica. Se inventados, eles tornariam obsoletos muitos tipos de sistemas de armas, especialmente aqueles que dependem de confirmação visual.

Em 2019, uma empresa canadense especializada em camuflagem militar chamada Biotecnologia Hyperstealth revelou sua própria tentativa no conceito – um material que eles chamam Furtividade Quântica. Ao contrário de outros protótipos iniciais de mantos de invisibilidade tentados até agora, o material curva a luz em torno de si para fazer o objeto parecer invisível a olho nu, e funciona até mesmo em sensores de infravermelho e ultravioleta. É direcionado principalmente para uso militar, já que o material pode ser implantado como uma medida de camuflagem para equipamentos de campo de batalha, tornando quase impossível ser alvejado do ar.

5. Lendo Sonhos

Ler sonhos ainda não é o tipo de coisa que você imagina que os cientistas possam fazer, pelo menos não da maneira que a maioria de nós imagina. Claro, você estaria errado, pois já houve alguns avanços decisivos nesse campo. A partir de agora, não é apenas possível ver e ouvir – com considerável precisão – o conteúdo dos sonhos de outra pessoa, mas também alterá-los para um determinado tema.

Em um estudo inovador do Japão publicado no Ciência jornal, eles revelaram uma técnica para usar exames de ressonância magnética para mostrar imagens do sonho do sujeito com 60% de precisão. Em outro estudo feito por pesquisadores do MIT, os cientistas desenvolveram um dispositivo chamado Dormio, que poderia fornecer sinais de áudio específicos pouco antes de você adormecer e mudar o conteúdo dos seus sonhos.

4. Vendo Através das Paredes

O Xaver 1000 é um scanner portátil desenvolvido pela Camero-Tech – uma empresa de tecnologia militar com sede em Israel. Na verdade, é um dispositivo de imagem que usa IA e técnicas de imagem complexas – como seu próprio ‘Sense-Through-The-Wall’ tecnologia – para detectar pessoas e animais atrás de superfícies obstrutivas, como paredes.

O scanner funciona em uma ampla variedade de situações, principalmente em casos que envolvem reféns e exigem um mapeamento minucioso da cena antes de qualquer ação da polícia. O aparelho tem utilidades militares, pois é imensamente útil em terrenos próximos, como áreas urbanas e edifícios densos. Também pode ser útil para salvar vidas durante calamidades naturais ou outros desastres.

3. Material de autocura

Materiais de autocura são outra grande inovação que revolucionaria o campo da prótese, embora essa não seja sua única aplicação. Como o nome sugere, os pesquisadores fizeram muitas descobertas no campo nos últimos anos, na medida em que podemos estar muito perto de desenvolver um material verdadeiramente autorreparador que pode imitar materiais orgânicos como a pele.

Em 2008, pesquisadores da universidade PSL, na França, desenvolveram um tipo de borracha sintética que pode manter e recuperar suas propriedades mesmo após ser quebrada repetidamente. Com base nesse conceito, engenheiros químicos da Universidade de Stanford projetaram um polímero que poderia se reparar mesmo depois de ser completamente separado com um bisturi, retendo 98% de sua propriedade original. A melhor parte é que pode ser curado repetidamente, o que não foi possível criar no laboratório até agora.

2. Tecnologia de leitura da mente

Ler sonhos é uma coisa, mas que tal ler um cérebro ativo e acordado? A tecnologia de leitura da mente pode levar a aplicações militares, como controle da mente, ou pode até ser usada para publicidade direcionada por grandes corporações. Por outro lado, ser capaz de ler a mente tem muitas aplicações potenciais na medicina, especialmente nos casos em que o paciente não consegue se comunicar devido a lesões ou doenças.

Surpreendentemente, não é um futuro muito distante, pois já temos muitas tecnologias que pode – até certo ponto – replicar digitalmente o conteúdo interno de sua cabeça. Em artigo publicado em Natureza em 2022, pesquisadores da Radboud University, na Holanda, desenvolveram uma técnica para converter ondas cerebrais em fotografias. Eles fizeram exames de fMRI dos assuntos e alimentaram os resultados em um algoritmo de IA, que foi capaz de replicá-lo em uma tela. quase de forma idêntica.

1. Envelhecimento reverso

O envelhecimento é um problema que aflige a humanidade há muito tempo. A maioria das pessoas concordaria que é um recurso desnecessário que causa problemas e, por fim, a morte, embora até mesmo nossos melhores cientistas e médicos ao longo dos séculos não tenham conseguido encontrar uma cura para isso.

A partir de agora, não temos tecnologia que possa fazer isso para humanos, embora possa ser possível para ratos. Em um estudo de 13 anos conduzido por Dr David Sinclair – professor do Centro de Pesquisa em Biologia do Envelhecimento da Harvard Medical School – os pesquisadores conseguiram reverter ou acelerar o processo de envelhecimento entre camundongos. Em seus estudos, Sinclair havia descoberto que o envelhecimento acontece por causa da perda de informações críticas na composição genética de nossas células, e não apenas devido a danos acumulados ao longo dos anos.

Sua equipe demonstrou isso em seus experimentos, onde restauraram com sucesso as informações epigenéticas armazenadas nas células para restaurar os camundongos a um estado anterior e mais jovem – completo com visão restaurada e músculos mais jovens – ou acelerar o processo de envelhecimento prematuramente.

Clique AQUI  e leias outros artigos interessantes

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies