Expulsão de George Santos gera polêmica nos EUA

A carreira política do republicano George Santos, de 35 anos, filho de imigrantes brasileiros, teve seu destino selado na última sexta-feira, 1º. Por 311 votos a favor e 114 contra a cassação, o deputado perdeu o mandato na Câmara dos Estados Unidos.

A expulsão teve base em um relatório de 56 páginas da Comissão de Ética, com 23 acusações, muitas delas sem comprovação.

Entre outras coisas, Santos é acusado de ter usado U$ 400 mil (R$ 2,8 milhões) do valor doado pelos eleitores para sua campanha em roupas de grife e procedimentos estéticos, como botox. Ele também responde por ter mentido sobre possuir um diploma universitário e ter feito uma carreira de sucesso em Wall Street, em Nova York, cidade que o elegeu.

Dos 114 votos pela permanência dele na Câmara até o julgamento do caso por um tribunal competente, 112 foram de republicanos e dois de democratas.

Tão logo saiu o resultado, o influenciador político da direita norte-americana Joey Mannarino postou um vídeo em seu perfil no Instagram, perguntando o porquê de os deputados democratas, que, segundo ele, “também fizeram coisas estranhas” no passado recente, não terem sido expulsos.

Mannarino elencou alguns casos, entre eles, o do deputado da Califórnia Erik Swellwell, que teria mantido relações sexuais com uma espiã chinesa — depois de dois anos de investigações, o Comitê de Ética da Câmara arquivou a acusação; e da deputada de origem palestina Rashida Tlaib, apontada por muitos norte-americanos como tendo relações com o Hamas.

O influenciador destacou também o nome do senador Bob Menendez, acusado, juntamente de sua esposa, de receber subornos em barras de ouro, um carro de luxo e dinheiro do governo do Egito em troca de influenciar assuntos estrangeiros dentro do senado dos EUA.

Mannarino respondeu à própria pergunta inicial. “Os democratas não são expulsos porque eles nunca votam neles mesmos, ao contrário dos republicanos”, disse.

O bilionário de Ohio Vivek Ramaswamy, que está concorrendo à vaga na corrida presidencial de 2024 pelo Partido Republicano, também se pronunciou publicamente e classificou a expulsão de George Santos como “errada”. O político e empresário expressou preocupações sobre a abertura de “um terrível precedente para o futuro”.

Ramaswamy diz que, pela descrição da imprensa, Santos parece ser um “mentiroso insano e patológico”, mas ressaltou que a decisão sobre servir à nação “pertence aos eleitores, e, se ele é um criminoso, pertence aos tribunais”.

Anônimos também se manifestam sobre a expulsão de George Santos

A opinião é compartilhada por anônimos em vários pontos do país. John Dame, farmacêutico clínico e piloto de avião amador do Estado de Nebraska, disse a Oeste que se sente incomodado com a expulsão sem veredicto.

“Temos um problema ao ver uma votação eliminar um deputado sem um veredicto”, disse. “Com isso escapamos da ideia de que alguém é inocente até que se prove o contrário. Acho perigoso.”

Acusando o seu país de ser “unipartidário”, John acredita que “a maioria na Câmara seja tão culpada quanto Santos, com a diferença de que as sujeiras não são expostas”.

Do outro lado do país, bem perto de Nova York, reduto eleitoral de Santos, o quiropraxista de Nova Jersey Joseph Sullivan também acredita que Santos não seja tão diferente de outros deputados. “Parece que Santos se deturpou para ser eleito, como muitos fizeram”, disse a Oeste. “Se vão expulsar pessoas do Congresso por isso, Santos não está no topo da lista.”

Sullivan lembrou o caso do deputado Adam Schif, ex-presidente do Comitê de Inteligência da Câmara, que liderou o primeiro pedido de impeachment do ex-presidente republicano Donald Trump. O Partido Republicano entrou com pedido de expulsão de Schif, sem sucesso.

“O mundo assistiu a Adam Schif e seus amigos mentirem para a América repetidas vezes e eles ainda estão lá”, disse Sullivan. “Essas mentiras impactaram diretamente no nosso país e no mundo.”

O novo ganha-pão de George Santos

Apenas três dias depois de ser expulso e perder o mandado de deputado, Santos parece já ter encontrado outra forma de sustento. O ex-deputado criou um perfil Cameo, compartilhado em sua conta no Twitter/X, e está oferecendo gravações de vídeos personalizados, nos quais ele dá desde felicitações de aniversário até receitas de assados.

Os vídeos oferecidos por Santos, que agora se apresenta na rede social como “ex-ícone do Congresso”, custam US$ 150 (em torno de R$ 780).

George Santos vai virar filme no HBO

A história de George Santos, o filho de imigrantes brasileiros eleito deputado pelo Estado de Nova York e posteriormente expulso da Câmara dos EUA, será transformada em filme.

A empresa norte-americana HBO Films comprou os direitos autoriais do livro The Fabulist: The Lying, Hustling, Grifting, Stealing, and Very American Legend of George Santos (em tradução livre para o português, O Fabulista: A lendária e muito americana história de mentiras, astúcias, falcatruas e roubos de George Santos), de Mark Chiusano.

O livro foi lançado na semana passada. O produtor do filme será Frank Rich, que trabalhou nas premiadas séries de comédia Veep e Succession.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading