EUA criam 353 mil empregos em janeiro, acima das expectativas

Somente em janeiro, os Estados Unidos criaram 353 mil empregos não agrícolas, bem acima das expectativas dos economistas de Wall Street (185 mil). Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 2, pelo Bureau of Labor Statistics (BLS).

Os ganhos de emprego em janeiro também foram maiores do que os números revisados de dezembro, que mostraram a criação de 333 mil vagas no mês passado. Antes da revisão, os dados iniciais indicavam a criação de 216 mil vagas em dezembro.

Combinadas, as revisões de novembro e dezembro adicionaram um total de 126 mil empregos, em comparação com os relatórios iniciais.

Além disso, a taxa de desemprego do país também se manteve estável, em 3,7%, neste mês, pelo terceira vez consecutiva. A força surpreendente do mercado de trabalho também auxiliou as carteiras dos consumidores.

Salários são um importante indicador da inflação

Os salários, que são um indicador da inflação e uma medida de quanto poder os trabalhadores têm no mercado de trabalho, aumentaram 0,6%, em uma base mensal, e 4,5%, no último ano. Os economistas esperavam que os salários aumentassem 0,3% no último mês e 4,1% no último ano.

No entanto, alguns indicadores-chave tiveram queda. Por exemplo, a taxa de participação na força de trabalho caiu para 62,5%, de 62,6% observados no mês anterior, enquanto a média de horas trabalhadas por semana caiu ligeiramente, de 34,3 para 34,1.

Os maiores aumentos de empregos no relatório desta sexta-feira foram em serviços profissionais e empresariais, que adicionaram 74 mil empregos em fevereiro, bem acima da média mensal de 2023, de 14 mil.

Enquanto isso, a área da saúde adicionou 70 mil empregos, e o comércio de varejo ganhou 45 mil empregos.

Presidente do BC dos EUA disse que o mercado de trabalho não está ainda de volta ao normal

Nesta quarta-feira, 31, o presidente do Federal Reserve (FED), Jerome Powell, descreveu o mercado de trabalho como “próximo do normal, mas não totalmente de volta ao normal”.

“É ainda um bom mercado de trabalho para salários e para encontrar um emprego”, acrescentou Powell. “Mas está voltando ao equilíbrio. E isso é o que queremos ver.”

Dados recentes refletiram a observação de Powell de o mercado de trabalho estar se normalizando. No entanto, os economistas ainda não observaram essa tendência aparecer nos dados.

Surpreendendo a todos, o presidente do FED reiterou que a instituição não acredita que ainda precisa ver uma grande queda no mercado de trabalho para começar a cortar as taxas de juros.

“Neste ponto, queremos ver um crescimento forte”, disse Powell. “Queremos ver um mercado de trabalho forte. Não estamos procurando por um mercado de trabalho mais fraco. Buscamos que a inflação continue caindo, como tem caído nos últimos seis meses.”

Ainda assim, os investidores parecem preocupados que um forte resultado de empregos em janeiro impedirá o Federal Reserve de cortar as taxas de juros.

Os investidores agora estimam uma chance de menos de 20% em um corte na taxa de juros, na reunião de março. Nesta quinta-feira, 1º, havia quase 40% de chance e, um mês atrás, quase 80% de chance.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies