Entenda a polêmica que levou a China a rejeitar Messi

Dois amistosos que a seleção da Argentina de futebol realizaria em março nas cidades chinesas de Pequim e de Hangzhou foram cancelados por autoridades da China. Elas se ofenderam pelo fato de o astro argentino não ter entrado em campo em partida de sua equipe, o Inter Miami, em Hong Kong, no dia 4 de fevereiro.

“Pequim não planeja, no momento, organizar a partida em que Lionel Messi participará”, disse a Associação de Futebol de Pequim em comunicado à imprensa local, de acordo com a ESPN.

“Por razões conhecidas por todos, aprendemos com as autoridades supervisoras que as condições são imaturas para o jogo prosseguir”, anunciou o Instituto Desportivo de Hangzhou nas suas redes sociais oficiais. “Agora foi decidido que o jogo será cancelado.”

Isto porque, três dias depois do jogo em Hong Kong, Messi, que alegou contusão para não atuar, jogou pelo time norte-americano contra o Vissel Kobe, no Japão.

A atitude de Messi soou, na visão das autoridades, como uma crítica ao modelo de “um país, dois sistemas”, implementado em Hong Kong desde sua reincorporação à China, em 1997. Até então, a cidade era colônia do Império Britânico, desde o fim da Guerra do Ópio (1839-1842).

A região se desenvolveu com autonomia, voltada para um capitalismo com mínima intervenção do Estado. Tornou-se um dos principais centros financeiros internacionais, com economia baseada em impostos baixos e livre comércio.

Mas, mesmo com poderes administrativos próprios, passou a ser comandado pelo governo central da China, marcado pelo autoritarismo do Partido Comunista da China (PCC).

Desta maneira, em 2020, a Assembleia Popular Nacional da China promulgou uma rígida Lei de Segurança Nacional em Hong Kong, conforme os princípios de “um país, dois sistemas”.

“O documento visa prevenir e punir a ação de elementos radicais em atividades de violência, terrorismo ou separatismo, e conta com o apoio de quase 3 milhões cidadãos de Hong Kong”, afirmou a Assembleia, que elogiou a própria lei. “A implementação dessa lei restaurou, gradualmente, a ordem social e cerca de 80% da população local considera sua cidade mais segura e estável.”

Caso Messi joga luz sobre o grande mercado consumidor na China

Hong Kong
Hong Kong vive sob o lema “um país, dois sistemas” | Foto: Wikimedia Commons

Enquanto há controvérsias entre os governos dos Estados Unidos e da China, em relação à importação de tecnologia 5G, os chineses têm se tornado um dos principais mercados consumidores dos esportes norte-americanos.

Na National Basketball Association (NBA), por exemplo, dirigentes norte-americanos expandiram a organização para outros países, seja com jogos na Europa ou até mesmo com lojas na Ásia, principalmente na China.

O gigante asiático representa cerca de 30% dos assinantes virtuais do NBA Pass, segundo texto da Playmaker Brasil. O NBA Pass é um aplicativo oficial da liga que possibilita ao assinante assistir todos os jogos do campeonato, via streaming, no celular, tablet ou computador, entre outros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies