Ditadura? Militar atacada por ministro de Lula é exonerada

A militar Ana Paola Brasil, que é oficial-general da Força Aérea Brasileira (FAB), foi exonerada pela Presidência da República do cargo de diretora técnica de Ensino e Pesquisa do Hospital das Forças Armadas (HFA), em Brasília, informou o Metrópoles. Ela foi acusada pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira (PT), de protagonizar uma cena “repugnante”.

O ministro Teixeira fez a crítica em agosto do ano passado. Ele divulgou um vídeo em que a militar, que é brigadeiro médica, repassava um objeto ao então presidente Jair Bolsonaro durante um aperto de mão. A cena remetia a uma cerimônia realizada em dezembro de 2022, questionou o ministro, insinuando que o item seria algo de alto valor financeiro. O vídeo gerou grande repercussão nas redes sociais.

“Imagem repugnante! Vejam esse vídeo que mostra o momento em que uma pessoa passa um objeto dourado escondido para as mãos do ex-presidente, que guarda no bolso”, declarou o ministro, dando a entender que o objeto teria grande valor financeiro. “Alguém suspeita o que poderia ser esse objeto?”

O material entregue ao então presidente, porém, foi uma medalha institucional do Departamento de Saúde e Assistência Social (Desas), do Ministério da Defesa. Ana Paola Brasil comandava o setor na época. Ela afirmou que o gesto de repassar a homenagem por meio de um aperto de mão é tradição militar.

Exoneração não teve caráter punitivo

Ana Paola ficou perplexa e revoltada com as insinuações de Teixeira, segundo pessoas próximas a ela. Na época da postagem, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro, no Congresso Nacional, investigava supostas irregularidades em presentes recebidos por Bolsonaro.

A militar foi exonerada na última quarta-feira 14. O fato de ter sido ex oficio revela que a extinção da relação funcional ocorreu por ato voluntário do servidor ou por conveniência administrativa. Não houve, portanto, caráter punitivo. No mesmo dia, a pedido de Ana Paola, foi oficializada a transferência dela para a reserva remunerada.

A brigadeiro, prossegue o Metrópoles, foi a primeira oficial-general mulher a assumir o cargo de diretora do Desas. Ana Paola é médica anestesiologista com pós-graduação em auditoria médica e MBA em gestão em saúde. Ela já havia, anteriormente, dirigido o Instituto e Medicina Aeroespacial Brigadeiro Médico Roberto Teixeira (Imae).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies