Desembargador que pediu o fim da Polícia Militar vira alvo da Câmara dos Deputados

O desembargador Adriano Roberto Linhares Camargo, que defendeu o fim da Polícia Militar durante uma sessão sobre possíveis irregularidades cometidas por policiais, virou alvo da Câmara dos Deputados. 

O deputado Coronel Ulysses, do União Brasil, pediu a abertura de um processo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para apurar a conduta ética e disciplinar do magistrado. No requerimento, o parlamentar lembrou as declarações feitas por Camargo. 

“Para mim, tem de acabar com a Polícia Militar e instituir uma forma diferente de atuação na área de investigação e da repressão ao crime”, disse o desembargador, à época.

De acordo com o Ulysses, Camargo demonstrou desconhecimento das funções da Polícia Militar. 

“Destaca-se do infeliz discurso o preconceito, em relação à atuação da Polícia Militar de Goiás, induzindo, em tese, que o fato de os membros da referida corporação alcançarem êxito, quando em confrontos armados com infratores, é revestido de abusos e excessos”, disse o parlamentar. 

Depois das declarações, Camargo recuou e afirmou que a PM de Goiás deveria ser “admirada”.  

Desembargador chegou a ser afastado do cargo, mas retornou ao Tribunal de Justiça de Goiás

O desembargador chegou a ser afastado do cargo, depois da declaração. No entanto, o Conselho Nacional de Justiça ordenou o retorno do magistrado ao Tribunal de Justiça de Goiás.

Segundo a Associação, “não existem fundamentos justificáveis para o afastamento de Adriano”. 

Na decisão, o ministro Luis Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), afirmou que “ainda que se trate de uma crítica infeliz ou temerária”, no contexto em que proferida, não foi uma ofensa à instituição policial.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies