Desastre chamado Biden faz democratas entrarem em pânico: “nem com a economia melhorando”

Se Punxsutawney Phil, a marmota, não viu sombra, indicando o início da primavera, será que os americanos começarão a se animar com os novos números robustos de empregos e abraçarão a “Bidenomia”?

Apesar dos recentes dados divulgados pelo Escritório de Estatísticas do Trabalho, que apontaram um impressionante aumento de 353 mil empregos em janeiro nos EUA, dobrando as projeções dos economistas, o público em geral ainda não percebeu totalmente os sinais de uma economia forte. A preocupação persiste devido aos impactos da inflação e à incerteza sobre o futuro em 2024.

Empregos em foco Os dados sobre empregos são apenas um indicador entre muitos. O S&P 500, índice de ações que acompanha as maiores empresas cotadas na bolsa, atingiu recordes, impulsionando os saldos dos planos de aposentadoria.

Seguindo o ditado político de que os presidentes são frequentemente culpados por más economias e não recebem crédito suficiente por economias fortes, Biden e sua administração tentam promover a “Bidenomia”. Enquanto isso, Trump aguarda uma suposta queda econômica sob a gestão de Biden e abre questionamentos sobre o “Federal Reserve” considerar cortes nas taxas para favorecer o atual presidente.

A recessão não se concretizou Contrariando as previsões de uma recessão devido à pandemia, a economia teve um ano surpreendentemente forte em 2023, e a expectativa é de um crescimento ainda mais robusto no primeiro trimestre de 2024, atingindo 4,2%.

Embora a recessão não tenha se materializado, os americanos ainda sentem o aperto nos supermercados e em outros setores, impactados pela inflação.

Sinais de melhora na opinião pública, mas o pessimismo persiste Uma pesquisa recente da CNN mostra que a percepção da economia ainda está submersa, mas caminha positivamente. Cerca de metade do país (48%) acredita que a economia continua em recessão. No entanto, apenas 35% dos americanos consideram que as coisas estão indo bem, representando uma melhoria desde o outono passado.

A senadora Elizabeth Warren e outros democratas expressaram frustração com as taxas hipotecárias, destacando que decisões do Federal Reserve impactam a crise de acessibilidade à habitação.

A economia forte é percebida de diferentes maneiras, dependendo da perspectiva de cada setor e indivíduo. A busca pela compreensão e aceitação da “Bidenomia” continua em meio a desafios persistentes.

Com informações da CNN.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading