conecte-se

Brasil em Pauta

Decisão da PGR contra Moraes é motivo de comemoração no Ministério Público

De acordo com a colunista Malu Gaspar, do jornal O Globo, a decisão da procuradora-geral da República interina, Elizeta Ramos, de apresentar recurso contra a inclusão de Moraes como assistente de acusação em processo no qual ele é parte, foi “celebrado” por parte da equipe do MP. Isso porque, conforme a informação, integrantes do Ministério Público acreditam que o STF vem tentando interferir em inquéritos.

Published

on

Uma decisão da Procuradoria-Geral da República (PGR) em desfavor do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), foi motivo de celebração interna entre membros do Ministério Público (MP).

De acordo com a colunista Malu Gaspar, do jornal O Globo, a decisão da procuradora-geral da República interina, Elizeta Ramos, de apresentar recurso contra a inclusão de Moraes como assistente de acusação em processo no qual ele é parte, foi “celebrado” por parte da equipe do MP. Isso porque, conforme a informação, integrantes do Ministério Público acreditam que o STF vem tentando interferir em inquéritos.

A ação que passou a ter Moraes como assistente de acusação refere-se à confusão registrada no Aeroporto de Roma, na Itália, em 14 de julho. Na ocasião, a família do ministro foi hostilizada por um trio de brasileiros. O magistrado alega que seu filho, Alexandre Barci, foi agredido. Essa versão, contudo, é negada pelos envolvidos no episódio.

Advertisement

Até hoje, o vídeo do caso não foi divulgado pelas autoridades brasileiras. No entanto, a polícia italiana, que teve acesso às imagens, afirma que o empresário Roberto Mantovani Filho, suspeito de ter cometido a agressão, apenas encostou “levemente” nos óculos do filho do magistrado.

Os argumentos da PGR contra Moraes

Moraes PGR privilégio presidente

Nesta segunda-feira, 30, a PGR entrou com recurso contra a decisão do STF de permitir a inclusão de Moraes como assistente de acusação no caso do Aeroporto de Roma. O ministro Dias Toffoli, também do STF, foi o responsável por inserir o colega de Corte nessa condição. Em documento contra essa movimentação, Elizeta afirmou que o magistrado recebeu “privilégio incompatível” com a situação.

Além da PGR interina, o material oriundo do MP também foi assinado pela vice-procuradora-geral da República, Ana Borges. Na visão do Ministério Público, Moraes pede privilégio “jamais admitido até mesmo para um presidente da República”.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement