conecte-se

Internacional em Pauta

Coreia do Norte envia (de novo) balões com lixo para Coreia do Sul

Published

on

Coreia do Norte envia (de novo) balões com lixo para Coreia do Sul

Neste sábado, 8, os militares sul-coreanos anunciaram que a Coreia do Norte lhes enviou mais uma leva de balões cheios de lixo. Essa é a terceira vez desde 28 de maio que a ditadura de Kim Jong-un utiliza essa tática como provocação, em um contexto de crescente tensão na Península Coreana.

“A Coreia do Norte lança mais uma vez (supostos) balões transportando resíduos para o Sul”, disseram os chefes do Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul em comunicado. O documento desaconselha tocar nos balões e pede que sua presença seja comunicada às autoridades.

Advertisement

Nos últimos dias, as tensões entre as duas Coreias aumentaram depois de a Coreia do Norte lançar centenas de balões com lixo e esterco em direção ao Sul. Pyongyang descreveu a ação como “presentes sinceros”, em resposta a panfletos lançados por ativistas sul-coreanos com propaganda contra Kim Jong-un.

Leia também:

A Coreia do Sul suspendeu um acordo de tensão assinado em 2018 com a Coreia do Norte, para restaurar as atividades militares na linha de frente. A suspensão deve durar até que a confiança mútua seja restabelecida. A interrupção permitirá que a Coreia do Sul retome exercícios militares perto da fronteira e responda imediatamente às provocações norte-coreanas.

Coreia do Sul envia música k-pop para Coreia do Norte

Pyongyang anunciou, no domingo 2, que cessaria os envios de balões. Contudo, na quinta-feira 6, ativistas sul-coreanos lançaram dez balões com música k-pop e 200 mil panfletos contra o líder norte-coreano. A ditadura norte-coreana advertiu que responderia com uma quantidade cem vezes maior de “resíduos de papel e lixo” se mais panfletos fossem enviados.

Advertisement

As autoridades da Coreia do Sul condenaram o envio de balões pela Coreia do Norte e classificaram a ação como “irracional” e de “baixa classe”. Eles alertaram para possíveis medidas retaliatórias que poderiam ser “insuportáveis” para o país vizinho.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement
Advertisement