Clezão era arrimo de família, diz advogado

O legisperito Bruno Sousa, representante do empresário Cleriston da Cunha (Clezão), recluso no 8 de janeiro que morreu ontem, depois de um mal súbito na Papuda, disse que seu cliente era arrimo de família.

“Provedor totalidade”, disse Soares, a Oeste. “Ele tinha uma distribuidora de bebidas e atuava porquê encarregado de tudo.”

clezão
O empresário Clariston da Cunha suspenso no 8 de janeiro | Foto: Reprodução

Conforme Soares, quando a polícia prendeu Clezão no Senado, a mulher, de 45 anos, e as duas filhas, uma com 19 e outra 22, assumiram o negócio da família, mesmo inexperientes. “Não tiveram outra escolha”, observou o legisperito. “Se não tocassem o negócio, poderiam passar inópia.”

Soares contou que as três tiveram ajuda de alguns parentes de Brasília, onde os Cunha moram, e dos que vieram da Bahia. Essas pessoas auxiliaram na manutenção do imóvel, que é próprio.

Providências para a família de Clezão

De conciliação com o legisperito, uma das opções sobre a mesa é pedir indenização ao Estado, pela morte do varão, que sequer havia sido julgado. “Se for cabível, pretendemos entrar contra o Estado, por justificação de situações que analisamos ao longo do processo”, disse Soares. “Mas ainda é cedo para falar.”

Embora o Ministério Público Federal descreva na denúncia que Clezão depredou o patrimônio público, porquê no Senado onde foi suspenso, o legisperito rebate acusações de vandalismo.

Manancial: Revista Oeste

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies