Caso ‘dama’ do tráfico: Bilynskyj pede convocação de Dino e demissão de ministro e secretários

Em meio a mais uma polêmica que abala a credibilidade do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o deputado federal Delegado Paulo Bilynskyj (PL-SP) apresentou um requerimento de convocação do ministro Flávio Dino nesta segunda-feira (13).

A medida convocatória surge a partir da notícia de que assessores do ministério receberam Luciane Barbosa Frias, popularmente conhecida como  ‘dama’ do tráfico, esposa de Clemilson dos Santos Farias, apelidado de Tio Patinhas, que chegou a ser o ‘criminoso número um’ na lista de procurados pela polícia do Amazonas, até ser detido em dezembro do ano passado. A informação foi divulgada pelo jornal Estado de S.Paulo.

Os encontros aconteceram dentro das dependências do Ministério da Justiça e Segurança Pública e foram oficialmente registrados. Elias Vaz, Secretário Nacional de Assuntos Legislativos de Flávio Dino, e Rafael Velasco Brandani, Secretário Nacional de Políticas Penais, foram os responsáveis pelas recepções.

O casal, Luciane e Clemilson, foi condenado em segunda instância pelos crimes de lavagem de dinheiro, associação para o tráfico e organização criminosa. Diante da gravidade da situação, Bilynskyj destacou a insustentabilidade da permanência do ministro e de sua equipe no cargo.

“É um absurdo o que aconteceu. Vemos uma condenada, casada com um bandido ligado ao Comando Vermelho, sendo recebida de braços abertos pelo Governo Lula. Vamos solicitar de imediato a convocação do Dino e pode ter certeza que não iremos parar por aí; a situação do ministro e de sua equipe está insustentável”, afirmou o deputado.

Além da convocação, Bilynskyj está avaliando medidas criminais contra os servidores, e uma solicitação de investigação sobre Flávio Dino foi encaminhada à Procuradoria-Geral da República (PGR).

O Ministério da Justiça confirmou o recebimento de Luciane, intensificando a pressão sobre o titular da pasta. A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara terá a responsabilidade de analisar a resolução, enquanto a PGR conduzirá as apurações sobre as condutas do ministro.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies