Canal do Panamá pode interromper travessia de navios por causa de seca

O número de navios autorizados a cruzarem o Canal do Panamá será reduzido nos próximos meses, por causa da seca.

Mais de 3% do comércio mundial passa pelo Canal do Panamá, de quase 110 anos, que depende de água doce para operar suas eclusas — obras de engenharia que permitem que as embarcações subam e desçam rios em locais onde há desníveis como barragens, quedas de água e corredeiras.

Neste ano, pela primeira vez, as autoridades do país diminuíram o número de navios que podem cruzar todos os dias o Canal do Panamá, para três por dia. Esse número é abaixo da média (36).

Outubro foi o mês mais seco na região desde 1950. Isso se deve parcialmente fenômeno El Niño, que aquece o Oceano Pacífico e afeta a temperatura e as chuvas em todo o mundo.

O sistema de reservatórios que abastece o canal também fornece água potável para quase metade da população do país.

Restrições são altamente incomuns neste período do ano

Embora o canal já tenha sofrido secas antes, é incomum que haja restrições durante a estação chuvosa do Panamá — que vai de maio a dezembro.

Em agosto, já havia preocupação com a potencial interrupção do transporte de contentores, causada pela redução nas travessias.

A costa leste dos EUA e países da Ásia, como a China, utilizam frequentemente o Canal do Panamá. Por ali circula diversas mercadorias, desde produtos petrolíferos até peças de veículos e grãos.

Alguns operadores, como os que possuem navios porta-contêineres, são mais propensos a reservar vagas, para cruzar o canal com antecedência.

panamá seca navios

Quem não tem reservas vai ter de esperar cerca de 2,7 dias para atravessar o canal, segundo dados de autoridades panamenhas. “Isso trará consigo a probabilidade de que os serviços de contêineres comecem a sofrer atrasos que conseguiram evitar anteriormente”, informaram.

Donas de navios disseram que esperariam atrasos de cerca de dois a três dias. Mesmo assim, passar por ali ainda seria mais rápido do que passar pelo concorrente Canal de Suez.

O menor número de travessias ocorre num momento particularmente difícil para o Panamá, que depende dos mais de US$ 4,6 bilhões em receitas que o canal gera todos os anos.

Protestos contra mina de cobre surgem no Panamá

Nas últimas semanas, houve grandes protestos na capital do país, a Cidade do Panamá, contra expansão dos serviços de uma grande mina de cobre.

Essa mina de cobre atualmente representa cerca de 4% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Depois dos protestos, autoridades do Panamá disseram que realizariam um referendo sobre o cancelamento do contrato da First Quantum Minerals, empresa que opera a mina de cobre.

O Congresso está acelerando a legislação para permitir a votação.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies