Avião misterioso de Amelia Earhart pode ter aparecido em imagens detectadas por sonar

A empresa de exploração marítima Deep Vision, da Carolina do Sul (Estados Unidos), captou imagens que ressuscitam o mistério do voo de Amelia Earhart, em 1937.

A aviadora e seu navegador, Fred Noonan, desapareceram durante o voo entre a Nova Guiné e a Ilha Howland, no Oceano Pacífico. Na época, Amelia pretendia se tornar a primeira pilota a dar a volta ao mundo. Pouco antes de perder contato com os colegas, a aviadora informou por rádio que estava com pouco combustível.

A imagem granulada de sonar são da empresa de Tony Romeo, que acredita ter capturado uma silhueta do Lockheed 10-E Electra, monoplano bimotor da aviadora norte-americana.

Apesar da suposição esperançosa de arqueólogos e exploradores, ainda faltam indícios de que o avião de Earhart está a 4,8 mil metros de profundidade, como capturaram as imagens do sonar. A busca, que se iniciou em setembro de 2023, ainda continua.

Empresa detecta objeto que pode ser o avião de Amelia Earhart

Segundo o portal g1, Romeo, que tem licença de piloto privado, vendeu seus imóveis para financiar a busca do avião de Amelia Earhart. O pai dele era piloto da Pan American Airlines e o irmão, da Força Aérea dos EUA.

avião Amelia Earhart - Em 1932, Amelia Earhart foi a primeira mulher a voar sozinha o Oceano Atlântico Foto: Divulgação/Museu do Autry National Center
Em 1932, Amelia Earhart foi a primeira mulher a voar sozinha o Oceano Atlântico | Foto: Divulgação/Museu do Autry National Center

O empresário comprou um drone subaquático de US$ 9 milhões (R$ 44 milhões) de uma empresa norueguesa. O equipamento de tecnologia de ponta é chamado Hugin 6000, em referência à capacidade de penetrar a camada mais profunda do oceano, a 6 mil metros.

Uma tripulação de 16 pessoas começou a busca de aproximadamente cem dias, por mais de 13 mil km² do vasto oceano. A investigação se restringiu em torno da Ilha Howland, no meio do Pacífico, entre a Papua Nova Guiné e o Havaí (EUA).

Em dezembro de 2023, as imagens do sonar capturaram uma silhueta amarela difusa de um objeto, que se assemelha a um avião. Romeo afirmou à agência de notícias Associated Press que, “no fim, obtivemos a imagem de um alvo que acreditamos fortemente se tratar da aeronave de Amelia”.

O próximo passo é levar uma câmera para baixo d’água e examinar o objeto não identificado. Se as imagens confirmarem a teoria dos exploradores, Romeo disse que quer recuperar o Electra, depois de quase 90 anos desaparecido.

As teorias

Segundo Romeo, uma escotilha aberta, isto é, a janela do avião, poderia indicar que Earhart e seu companheiro de voo teriam escapado depois do impacto inicial. Um mostrador da cabine também forneceria informações sobre o que deu errado.

Os padrões internacionais de arqueologia subaquática recomendam que, caso as expedições encontrem a aeronave, que ela permaneça onde está | Foto: Divulgação/Bibliotecas da Universidade Purdue, EUAOs padrões internacionais de arqueologia subaquática recomendam que, caso as expedições encontrem a aeronave, que ela permaneça onde está | Foto: Divulgação/Bibliotecas da Universidade Purdue, EUA
Os padrões internacionais de arqueologia subaquática recomendam que, caso as expedições encontrem a aeronave, que ela permaneça onde está | Foto: Divulgação/Bibliotecas da Universidade Purdue, EUA

Na época do incidente, a Marinha realizou buscas, mas não encontrou nenhum vestígio. O posicionamento oficial do governo norte-americano é de que Earhart e Noonan sofreram uma queda.

De lá para cá, surgiram teorias que incluem abdução por alienígenas e a possibilidade de que Earhart vive em Nova Jersey sob um pseudônimo. Outros especulam, também, que ela e Noonan foram mortos por japoneses ou viveram como náufragos em uma ilha.

Além da excursão de Romeo, a empresa de exploração Nauticos procurou o avião da pilota durante três expedições, entre 2002 e 2017. Na época, houve investigação de uma área do fundo do mar, com tamanho similar ao do Timor Leste.

Os investimentos foram de US$ 1 milhão (R$ 4,8 milhões), em 1999. Entre 1998 e 2002, o Grupo Internacional para Recuperação de Aeronaves Históricas fez seis viagens para outra ilha no oeste do oceano Pacífico, com a impressão de que Earhart teria feito um pouso forçado sobre um recife plano, localizado a 2,9 mil km ao sul do Havaí.

Os padrões internacionais de arqueologia subaquática recomendam que, caso as expedições encontrem a aeronave, as primeiras devem permanecer onde está. O motivo é a preservação histórica do local, para que haja pesquisas com o objetivo de entender a possível queda do avião.

Amelia Earhart comprou o avião Lockheed com o dinheiro que arrecadou, em parte, da Fundação de Pesquisa Purdue, de acordo com uma postagem no blog da instituição. Ela pretendia devolver a aeronave. Segundo Romeo, a equipe considera que o avião pertença ao Instituto Smithsonian.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies