conecte-se

Brasil em Pauta

Aumento das queimadas até 2022 era culpa de Bolsonaro; Agora é a seca

O Pantanal, que se estende pelos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, abrange uma área total de 150.355 km². Em comparação com anos anteriores, os dados são alarmantes: em 2023, foram registrados apenas 133 focos de incêndio no mesmo período, enquanto em 2022, último ano do governo de Jair Bolsonaro, foram 466.

Published

on

Aumento das queimadas até 2022 era culpa de Bolsonaro; Agora é a seca

As queimadas no Pantanal têm atingido níveis alarmantes este ano. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) revelam que, em menos de 15 dias, o bioma registrou o maior número de focos de incêndio para o mês de junho desde 1998, quando começou a série histórica de monitoramento. Segundo a plataforma BDQueimadas, alimentada por informações de satélites do instituto, foram contabilizados 733 focos de incêndio até a sexta-feira, 14 de junho.

O Pantanal, que se estende pelos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, abrange uma área total de 150.355 km². Em comparação com anos anteriores, os dados são alarmantes: em 2023, foram registrados apenas 133 focos de incêndio no mesmo período, enquanto em 2022, último ano do governo de Jair Bolsonaro, foram 466.

Somente até maio deste ano, o bioma já perdeu aproximadamente 1.276 km² devido aos incêndios, um aumento significativo em relação aos 120 km² perdidos no mesmo período do ano passado.

Advertisement

A situação das queimadas no Pantanal tem sido associada principalmente à seca anual da região, de acordo com especialistas ouvidos pela imprensa. A negligência do governo federal e do Ministério do Meio Ambiente, atualmente liderado por Marina Silva, tem sido frequentemente mencionada, mas as responsabilidades têm sido foco de controvérsias políticas.

Em resposta à omissão do Congresso Nacional na proteção ao Pantanal, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu reconhecer essa inação e deu um prazo de dezoito meses para que os parlamentares aprovem uma legislação que regulamente a proteção do bioma. O ministro relator, André Mendonça, destacou que a Constituição exige a preservação do Pantanal e de outros biomas, e que após mais de 35 anos sem uma regulamentação efetiva, a omissão precisa ser corrigida com urgência.

Advertisement
Continue Reading
Advertisement
Advertisement