Aldo Rebelo critica apoio de Lula a Boulos na eleição de São Paulo

Ex-ministro em governos petistas, Aldo Rebelo criticou o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao pré-candidato a prefeito de São Paulo Guilherme Boulos (Psol). Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, nesta terça-feira, 30, ele disse que o psolista “sabotou o governo Dilma”.

“O candidato a prefeito apoiado pelo presidente Lula usou o que pôde, de argumentos muito duros e de adjetivos muito fortes, contra o próprio presidente e seu partido”, disse o ex-ministro. “Era um homem que liderava os movimentos de sabotagem contra o governo da presidente Dilma, principalmente nos eventos da Copa do Mundo e das Olimpíadas. Tinha como alvo o governo e o próprio PT.”

Rebelo será o próximo secretário de Relações Internacionais da Prefeitura de São Paulo e irá apoiar a reeleição de Ricardo Nunes (MDB-SP). Antes, quem ocupava o cargo era Marta Suplicy, que será candidata a vice-prefeita na chapa de Boulos.

rebelo e nunes
Ricardo Nunes convidou Aldo Rebelo para assumir pasta que era de Marta Suplicy | Foto: Redes sociais/@prefeitoricardonunes

Para o futuro secretário, é “estranho” Lula e o PT apoiarem Boulos com base no histórico do candidato quando era deputado federal. De acordo com Rebelo, o psolista liderou as manifestações contra a Copa do Mundo e era crítico da política de alianças petistas com partidos do centrão.

“A tentativa de Boulos sempre foi a de substituir o PT como o grande partido das forças progressistas do Brasil”, disse o ex-ministro. “E se fosse necessário destruir o PT, não foi poupada nenhuma energia nesse sentido.”

Rebelo critica radicalização política de Lula

O ex-ministro também criticou a radicalização política e ideológica que Lula fez na eleição para a capital paulista. Rebelo lembrou que nos primeiros governos o petista fez alianças com o MDB e nomes à direita, como Valdemar Costa Neto (PL) e Ciro Nogueira (PP-PI). Atualmente, o governo federal também conta com ministros emedebistas.

“O MDB tem três ministérios no governo”, exemplificou Rebelo. “Não faz sentido essa ideia que a eleição municipal vai repetir a polarização da eleição presidencial. Acho que ele [Lula] é atormentado por fatores que desconheço e que o conduzem a tentar fazer de São Paulo palco de uma guerra ideológica que não serve a ele, a São Paulo e ao Brasil.”

Rebelo disse que o prefeito Ricardo Nunes o procurou ainda em dezembro, antes de Marta anunciar sua saída e voltar para o PT. Porém, o ex-ministro explicou que o convite não era para a secretaria de Marta. “Embora ache que provavelmente ele já desconfiasse que a secretária estava em negociações para apoiar o candidato do PT”, comentou.

Ele deve assumir o cargo em fevereiro. Atualmente está de férias em Alagoas. Rebelo deve sair do PDT antes de virar secretário, pois o partido anunciou apoio ao candidato do PSOL.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies