AGORA: Senado dos EUA aprova pacote de ajuda de US$ 95 bilhões para Ucrânia e Israel

Na manhã desta terça-feira (13), o Senado dos Estados Unidos aprovou um projeto de lei de assistência no valor de US$ 95,3 bilhões (R$ 472 bilhões) destinado à Ucrânia e a Israel, estabelecendo um confronto iminente com a Câmara. O pacote de ajuda externa abrange bilhões de dólares para apoiar a Ucrânia, fornecer assistência de segurança a Israel e oferecer ajuda humanitária a civis em Gaza, na Cisjordânia e na Ucrânia, entre outras prioridades.

A decisão no Senado ocorreu com uma votação de 70 a 29, com 22 republicanos votando a favor, incluindo o líder da minoria no Senado, Mitch McConnell. O destino do projeto na Câmara permanece incerto, uma vez que não está claro se o presidente da Câmara, Mike Johnson, irá submetê-lo à votação. Muitos republicanos na Câmara expressam oposição a fornecer mais ajuda à Ucrânia.

Apesar das críticas do líder da Câmara, Johnson, à legislação, e da oposição manifestada pelo ex-presidente Donald Trump, que argumenta que os EUA deveriam interromper o fornecimento de ajuda a outros países, a menos que seja na forma de um empréstimo, o Senado aprovou o projeto.

“A história acerta todas as contas”, disse McConnell em comunicado após a votação. “E hoje, sobre o valor da liderança e da força americana, a história registrará que o Senado não pestanejou.”

O projeto de lei inclui 60 bilhões de dólares para apoiar a Ucrânia na sua luta contra a Rússia, 14,1 bilhões de dólares em assistência de segurança para Israel, 9,2 bilhões de dólares em assistência humanitária e 4,8 bilhões de dólares para apoiar parceiros regionais na região Indo-Pacífico, além de outras disposições políticas, de acordo com o Comitê de Dotações do Senado.

“A Câmara terá que descobrir um caminho a seguir e terá que fazer isso do seu jeito, mas precisávamos iniciar o processo e fizemos isso”, disse John Thune, líder do Partido Republicano no Senado, a repórteres na terça-feira.

O Senado aprovou a legislação depois que os republicanos bloquearam um projeto de lei mais amplo na semana passada que combinaria a ajuda externa com um acordo fronteiriço bipartidário.

Os republicanos inicialmente exigiram que a segurança fronteiriça fizesse parte do projeto de lei, mas rejeitaram o acordo bipartidário sobre a fronteira em meio a ataques contundentes à medida por parte de Trump e dos principais republicanos da Câmara.

Num comunicado divulgado na segunda-feira, Johnson criticou o projeto de lei de ajuda externa pela falta de disposições fronteiriças, dizendo que o Senado “deveria ter recuado para alterar o projeto de lei atual para incluir disposições reais de segurança fronteiriça que realmente ajudariam a acabar com o conflito em curso”.

Johnson já havia se oposto ao projeto de lei mais amplo que incluía disposições fronteiriças. O presidente caracterizou essas disposições como insuficientes, apesar de terem sido o produto de negociações bipartidárias e incluírem medidas restritivas nas fronteiras.

O líder da maioria no Senado, Chuck Schumer, comemorou a aprovação da legislação, dizendo em comentários no plenário: “Já se passaram anos, talvez décadas, desde que o Senado aprovou um projeto de lei que impacta tanto não apenas nossa segurança nacional, não apenas a segurança de nossos aliados, mas a segurança da democracia ocidental.”

“Acredito que se o presidente Johnson trouxer este projeto de lei ao plenário da Câmara, ele será aprovado com o mesmo forte apoio bipartidário”, disse Schumer.

O projeto de lei avançou no Senado, apesar da oposição de Trump, que argumentava contra a concessão de ajuda externa, a menos que fosse na forma de um empréstimo. A análise do projeto no Senado se estendeu por vários dias, com o senador Rand Paul, de Kentucky, prometendo atrasar o processo em protesto contra a legislação.

A capacidade de qualquer senador de retardar o processo e forçar votações prolongadas para alcançar a aprovação final foi evidenciada durante esses dias de deliberações. Paul manteve sua posição no domingo, declarando que resistiria até “o inferno congelar” e expressando sua disposição para discutir questões relacionadas à dívida nacional e outros tópicos quando lhe fosse concedida a palavra.

“Eu adoro conversar. Essa é uma das minhas coisas favoritas a fazer”, disse ele.

“Fazemos isso com um propósito”, disse Paul. “Eu não gosto de estar aqui. Não estou aqui porque é divertido, estou aqui porque não creio que haja gente suficiente a falar sobre o perigo da dívida.”

Com informações de CNN

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading