Agentes da Abin querem servidor de carreira como diretor

As investigações da Polícia Federal na Agência Brasileira de Inteligência (Abin) trouxeram à tona mais uma vez o debate acerca da nomeação de um servidor de carreira para a Diretoria-Geral do órgão.

Deflagrada em outubro de 2023, a Operação Vigilância Aproximada apura um suposto esquema de monitoramento de celulares por agentes da Abin. Na semana passada, o alvo da investigação foi o deputado Alexandre Ramagem (PL-RJ), ex-diretor-geral da Abin no governo de Jair Bolsonaro.

Nesta segunda, 29, os policiais, com autorização do ministro Alexandre de Moraes, fazem buscas contra o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro, filho do ex-presidente. Sete agentes da PF cedidos à Abin são investigados na operação.

A União dos Profissionais de Inteligência de Estado (Intelis), depois da operação contra Ramagem, voltou a defender o comando da Abin pelos próprios servidores. “Os novos desdobramentos das investigações em curso indicam ter havido utilização da estrutura e recursos da Abin para práticas de desvios por parte de policiais federais inseridos na Agência.”

A confirmação das denúncias apuradas na Operação Vigilância Aproximada, diz a Intelis, “reforça a importância de a agência ser gerida por seu próprio corpo funcional, e não opor atores exógenos politicamente condicionados, como no governo anterior”.

No governo Lula, direção da Abin é suspeita de atrapalhar investigação

Abin
Diretor-adjunto da Abin, Alessandro Moretti, homem de confiança do atual diretor-geral | Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

No governo Lula, a Abin também é comandada por um delegado da PF — Luiz Fernando Corrêa. O número dois da agência, o diretor-adjunto Alessandro Moretti, também é investigado pela PF. Ele é suspeito de ter atuado para atrapalhar as investigações, de acordo com reportagem da Folha de S.Paulo.

Dos últimos oito diretores-gerais da corporação, quatro eram delegados da Polícia Federal. “A Inteligência de Estado tem que ser preservada do debate político-partidário, e os profissionais de carreira precisam ser valorizados”, acrescentou a entidade que representa os agentes da Abin.

Em nota, a Abin afirma que colabora com os inquéritos e que é “a maior interessada na apuração rigorosa dos fatos”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies