Advogados querem levar recursos ao plenário do STF

Advogados de aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro investigados por suposta tentativa de golpe preparam recursos contra as medidas determinadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que vão desde a apreensão de objetos à prisão de alvos.

Os recursos são, inicialmente, endereçados a Moraes, mas, com eventual rejeição, podem ser levados ao plenário da Corte. E esse é objeto dos advogados, informou a CNN, que conservou com alguns defensores dos investigados na Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela Polícia Federal na quinta-feira 8.

A defesa do coronel Marcelo Câmara, suspeito de colaborar com o suposto plano de golpe, pretende protocolar um recurso na quinta-feira 15, depois do recesso de Carnaval. Como agravo regimental, ele pede para que Moraes reconsidere a prisão preventiva do militar.

“Caso ele não reconsidere, aguardo que seja dado andamento ao recurso para que a decisão seja analisada pelo colegiado”, disse à emissora o advogado Eduardo Kuntz. “Posso, neste momento, afirmar que a prisão preventiva foi medida extrema, absolutamente desnecessária e merece ser revista.”

Também foram presos Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro; Rafael Martins, major do Exército; e Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército. Os advogados também devem protocolar recursos para tirá-los da prisão.

O presidente nacional do PL, Valdemar Costa Neto, chegou a ser preso em flagrante em razão da posse de uma arma de fogo encontrada em sua casa durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão. Depois de passar duas noites detido, Valdemar foi solto por ordem de Moraes.

Moraes proibiu comunicação entre investigados e advogados

Hacker OAB
OAB já apresentou recurso contra a decisão de Alexandre de Moraes | Foto: Divulgação/OAB

Assim como já fez a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), os defensores dos investigados também devem recorrer contra trecho da decisão de Moraes que impediu a comunicação entre os advogados de Bolsonaro e dos aliados.

A OAB e os profissionais destacam que a medida é ilegal, inconstitucional e não tem precedentes na Justiça do Brasil. As medidas cautelares não podem atingir terceiros, não investigados. Moraes ainda não se pronunciou sobre o pedido da OAB. Se rejeitar o pedido, o recurso deve ser levado ao plenário.

Segundo a CNN, a defesa também vai tentar derrubar a medida que impediu a comunicação entre os investigados, especialmente entre os dirigentes do PL. Em ano eleitoral, é fundamental que Bolsonaro e Valdemar, por exemplo, conversem sobre candidatos e apoios. A decisão, portanto, causa prejuízo direito ao PL.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies