A ordem de José Mucio para os 60 anos do início do regime militar

O ministro da Defesa, José Mucio, e os comandantes das Forças Armadas determinaram que não haverá manifestações oficiais da ativa em 31 de março. A data marca o início do regime militar no Brasil e, em 2024, vai completar 60 anos. A ideia de Mucio é evitar polêmicas e um mal-estar com o Palácio do Planalto.

A proposta selada entre o ministro e os comandantes não é de agora. O assunto, contudo, voltou à tona, depois da Operação Tempus Veritatis, realizada depois de agentes da Polícia Federal (PF) enxergarem uma tentativa de golpe, com base na delação do tenente-coronal Mauro Cid. Conforme as descobertas, a suposta ruptura institucional envolveu o ex-presidente Jair Bolsonaro, o então comandante da Marinha e outros militares.

Desde o ano passado, o governo Lula estabeleceu que comemorações envolvendo 1964 não devem ser feitas, diferentemente do que ocorria na administração Bolsonaro.

Na possibilidade de quartéis celebrarem o 31 de março, o Ministério da Defesa vai entrar em cena para punir.

José Mucio comenta operação que mirou militares

josé mucio
O ministro da Defesa, José Mucio, durante a transmissão de cargo do Comando Militar do Nordeste – 19/01/2024 | Foto: Rafael Vieira/Estadão Conteúdo

Depois da operação da PF, Mucio disse a Oeste que “cabe às Forças Armadas apoiarem a decisão da Justiça”. Mais tarde, também a Marinha se posicionou, em virtude de um ex-comandante ter sido alvo da PF. Conforme a Força, ela não se manifesta a respeito de “processos investigatórios em curso”.

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies

Descubra mais sobre Brasil em Pauta Notícias

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading