10 mistérios antigos não resolvidos de assassinatos

As pessoas têm se matado de todas as maneiras desde o início dos tempos. Alguns diriam que, neste momento, é uma parte inerente do genoma humano, à medida que os arqueólogos continuam a encontrar antigas valas comuns ou outros locais de violência em todo o mundo. Em muitos casos, é fácil identificar os perpetradores, graças às modernas técnicas forenses e arqueológicas. No entanto, nem sempre é esse o caso, já que muitas destas valas comuns ou locais de assassinatos da história antiga permanecem envoltos em mistério.

10. Sepultura coletiva de Kosice

Descoberto na vila polonesa de Koszyce em 2011, a vala comum de Koszyce contém os corpos de 15 mulheres, crianças e homens jovens. Com idade estimada em cerca de 5.000 anos, todas as vítimas pertenciam à mesma família extensa, representando três gerações da antiga cultura da Ânfora Globular da Europa Central. Todos os indivíduos que estavam na sepultura sofreram mortes brutais, pois foram mortos com golpes na cabeça. Eles também foram enterrados com cuidado, pois os locais de sepultamento mostram que as mães foram colocadas para descansar ao lado dos filhos e os irmãos foram colocados lado a lado. No entanto, não havia sinais de pais e parentes mais velhos do sexo masculino no local da sepultura, indicando que eles podem não ter estado presentes durante o incidente. incidente.

Os pesquisadores acreditam que o massacre provavelmente ocorreu entre 2.776 e 2.880 aC, possivelmente devido a violentos confrontos territoriais e competição por recursos durante a expansão da cultura Corded Ware em toda a Europa. As vítimas não apresentavam sinais de combate corpo a corpo, sugerindo que foram capturadas e executadas. Apesar das extensas investigações e análises arqueológicas, os autores das mortes permanecem desconhecidos.

9. Homem Clonycavan

Homem Clonycavan refere-se a um corpo descoberto em março de 2003 em Clonycavan, Irlanda. Encontrado por cortadores de turfa em uma turfeira, a datação por radiocarbono estimou que ele morreu em algum momento da Idade do Ferro entre 392 AC e 201 AC. Seus restos mortais foram bem preservados devido às condições únicas das turfeiras. Ele tinha um metro e setenta e cinco de altura e um penteado espetado característico, mantido unido por um antigo gel de cabelo feito de óleo vegetal e resina de pinheiro originário da França ou da Espanha.

De acordo com exames forenses, o Homem Clonycavan sofreu uma morte violenta. Ele tinha o nariz quebrado, um ferimento profundo do nariz até a parte inferior do olho direito e um grave ferimento na cabeça que abriu seu crânio, com partes de seu cérebro encontradas no local. Uma teoria diz que ele fazia parte de um ritual conhecido como “tríplice matança de reis” – um fim brutal reservado para Classe alta celta indivíduos na Irlanda antiga.

8. Príncipe de Helmsdorf

Também às vezes chamado de o mais antigo político conhecido assassinato na história, o caso do príncipe de Helmsdorf remonta a cerca de 3.850 anos atrás. Descoberto no sítio arqueológico de Leubingen, onde hoje é a região alemã da Turíngia, o príncipe – com idade estimada entre 30 e 50 anos – sofreu uma morte brutal.

Originalmente descoberto em 1877a escavação foi revisitada por arqueólogos e pesquisadores forenses em 2012. Eles encontraram três novos ferimentos letais infligidos por um guerreiro experiente empunhando uma adaga, sugerindo que o príncipe provavelmente foi surpreendido pelo atacante que ele conhecia e em quem confiava, e que ele havia tentado defender-se antes de ser morto.

O príncipe foi enterrado com armas e ferramentas valiosas da cultura Unetice da Idade do Bronze, junto com o que parece ser uma criança sacrificada. Seu opulento enterro indica o respeito de seus súditos, embora as circunstâncias exatas que levaram à sua morte ainda sejam um mistério.

7. Grauballe segunda-feira

O Homem Grauballe foi um corpo descoberto em uma turfa na Dinamarca em 26 de abril de 1952. Segundo relatos de primeira mão, estava tão bem preservado que foi inicialmente pensava-se que não tinha mais de 65 anos. Exames adicionais revelaram que tinha 2.300 anos, datando da Idade do Ferro germânica entre 310 e 55 aC. Descoberta por cortadores de turfa no pântano de Nebelgaard, na Jutlândia Central, a escavação recebeu o nome da aldeia vizinha de Grauballe.

Homem Grauball tinha cerca de 30 anos na época de sua morte, medindo um metro e setenta e cinco de altura e cabelos ruivos impressionantes. O exame sugeriu que ele tinha mãos lisas, indicando pouco ou nenhum trabalho manual durante sua vida. A causa de sua morte permanece incerta, mas as teorias vão desde doenças naturais induzidas pela ingestão de fungos venenosos até sacrifícios ritualísticos ou punições por atos criminosos. Apesar do corte na garganta e de outros ferimentos, avaliações posteriores descobriram que ferimentos externos ocorreram post-mortem, possivelmente devido à pressão da turfeira.

6. Sepultura coletiva de Herxheim

Em 2009, entre 500 e 1.000 restos humanos foram descobertos em Herxheim – um sítio arqueológico da era Neolítica em sudoeste da Alemanha. Os poços ovais pertenciam à cultura da Cerâmica Linear e os restos mortais apresentavam sinais de canibalismo, escalpelamento, remoção de cérebro e lascamento de costelas. Alguns esqueletos também estavam incompletos, sugerindo sepultamentos secundários de outras localidades da região.

Avançar análise confirmou que alguns dos corpos foram trazidos de regiões distantes, juntamente com achados de cerâmica de diversas áreas geográficas. A destruição deliberada de cerâmica e artefatos de alta qualidade e o manuseio cuidadoso dos restos mortais sugerem que o local era uma necrópole elaborada associada a práticas rituais.

Estabelecido por volta de 5.300 aC, Herxheim foi provavelmente um assentamento idílico da Idade da Pedra em algum momento, embora a comunidade tenha desaparecido abruptamente em 4.950 aC. As vítimas não estavam desnutridas ou doentes e vinham de várias regiões europeias. Até o momento, não sabemos se era um cemitério ritualístico, algum tipo de culto religioso ou simplesmente uma cidade usada para abrigar os mortos.

5. Massacre de Sandby Borg

Sandby Borg – às vezes também chamado de ‘Pompéia sueca‘ – é um misterioso sítio arqueológico descoberto na ilha de Öland, na Suécia, em 2011. É uma antiga vila que remonta a 1.500 anos atrás, situada dentro de um forte circular. Uma série de escavações desde a sua descoberta revelaram que foi também local de um massacre, onde 200 a 250 pessoas, incluindo crianças, foram brutalmente mortas.

Arqueólogos encontraram moedas de ouro romanas, joias de prata e vidros romanos na escavação, sugerindo a conexão da ilha com o Império Romano. A ausência de armas no local indica uma possível oferenda ritualística. Depois de serem mortos, os corpos foram deixados a apodrecer onde caíram, com esqueletos encontrados dentro das casas e espalhados pelas ruas da aldeia.

Apesar de três temporadas de escavações, o mistério do que aconteceu ali persiste até hoje. Os moradores locais alertam contra visitar Sandby Borg porque acham que é mal-assombrado. A ausência de esqueletos femininos levanta algumas questões horríveis sobre o que aconteceu com as mulheres da cidade.

Segundo os arqueólogos, todas as evidências apontam para uma luta pelo poder na ilha, sugerindo um conflito interno e não um ataque externo. Seja qual for a causa, está claro que alguns acontecimentos terrivelmente sombrios ocorreram nesta ilha sueca há cerca de 1.500 anos.

4. Poço de Ossos

Escavação em Sima de los Huesos – ou Poço de Ossos – na Espanha começou na década de 1980, desenterrando gradualmente os restos de mais de 1.600 pessoas. Este sítio do Paleolítico inferior, parte do sistema de cavernas Cueva Mayor-Cueva del Silo na Serra de Atapuerca, contém a maior e mais antiga coleção de restos humanos já encontrada, com 28 fósseis de hominídeos definitivamente datados de 430 mil anos atrás.

As características únicas do local incluem um poço de ossos no fundo da caverna com restos humanos e animais, embora a identidade dos perpetradores não seja exatamente conhecida. O fossilizado indivíduos foram datados perto da divisão entre as linhagens Neandertal e Denisova, embora também seja um completo mistério quem eles eram. Alguns compararam-nos tanto aos neandertais como aos denisovanos, embora estudos de ADN sugiram que podem ter sido relacionados com outras espécies de hominídeos que viviam na região na altura.

3. Sepultura coletiva de Entrains-sur-Nohain

O sítio arqueológico de Entrains-sur-Nohain foi descoberto ao longo de cinco meses em 2013. Localizado na Borgonha, França, foi também o local da cidade romana de Intaranum, que prosperou durante quatro séculos por volta do início do primeiro milénio. Os arqueólogos finalmente descobriram uma vala comum contendo mais de 20 corpos de homens, mulheres e crianças no local, datados por carbono entre os séculos VIII e X. Curiosamente, as vítimas não faziam parte do assentamento romano.

Muitas teorias foram sugeridas para esta anomalia. Segundo um deles, as vítimas foram vítimas da Batalha de Fontenoy-en-Puisaye, nas proximidades, em 25 de junho de 841. Dezenas de milhares lutaram pela Império Carolíngio na batalha, deixando potencialmente a aldeia vulnerável a ataques. Outra teoria diz que isso poderia estar relacionado com Ataques vikingsque foi um grande problema para as aldeias francesas durante o final do século IX.

2. Como Cleópatra morreu?

Cleópatra foi a última ativa governante do Reino Ptolomaico do antigo Egito. Ela morreu em 12 de agosto de 30 a.C., e a teoria mais conhecida diz que a causa da morte foi o suicídio. Após a derrota de suas forças na Batalha de Actium em 31 a.C., Cleópatra e seu amante Marco Antônio recuaram para Alexandria. Enquanto o exército romano de Otaviano estava nos portões, Antônio se matou com um espada para evitar a captura e possível tortura, e Cleópatra permitiu que uma cobra venenosa a mordesse e matasse em um mausoléu.

De acordo com alguns historiadores, no entanto, essa história pode não ser verdadeira, pois há poucas evidências históricas que corroborem esta série de eventos. Até agora, não há consenso acadêmico sobre exatamente quem ou o que matou Cleópatra, ou mesmo se ela morreu na mesma data, já que o único relato confiável de sua morte foi escrito por Plutarco gerações depois que ela viveu. Uma teoria diz que ela não cometeu suicídio e, em vez disso, foi capturada e morta por Otaviano.

1. Genocídio de Gallina

A cultura Gallina viveu no norte do Novo México entre os séculos XII e XIII. Até agora, quase todos os esqueletos de Gallina já encontrados eram de alguém brutalmente assassinado, sugerindo um rastro de genocídio de um povo inteiro espalhado pela região. Isto inclui a descoberta de sete esqueletos num desfiladeiro remoto em 2007, aumentando ainda mais o mistério. A escavação descobriu os restos mortais de cinco adultos, uma criança e um bebê com sinais de fraturas, marcas de cortes e crânios esmagados.

Devido a essas descobertas, é possível que o Galinha pessoas foram brutal e sistematicamente mortas por volta de 1275, embora não esteja claro quem foram os perpetradores. Os arqueólogos sugeriram vários motivos, como condições de seca severa que levaram a conflitos relacionados com os recursos, ou conflitos com recém-chegados à região.

Clique AQUI e veja outros artigos que você pode gostar

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você concorda com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Mais informação

Política de Privacidade e Cookies